Polí­tica

Foto: Benhur de Souza

Após a eleição da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa, no início da noite desta terça-feira, dia 1º de fevereiro, os deputados estaduais manifestaram suas posições a respeito do resultado do pleito.

Entre os que se pronunciaram, estava o deputado José Bonifácio (PR) que afirmou que a vontade divina prevaleceu. “Senti o dedo de Deus na hora da votação do deputado Iderval Silva (PMDB), pois Deus queria o deputado Raimundo Moreira (PSDB) na presidência”, comentou.

Ao afirmar que tem orgulho de seu partido e de sua história, o deputado José Roberto Forzani (PT) enfatizou que sua posição, apoiando Raimundo Moreira, foi coerente com sua história e com sua forma de fazer política.

A deputada Solange Duailibi (PT), que liderou a chapa de oposição ao governo e perdeu a disputa, fez questão de ressaltar que o grupo de oposição se manterá unido. “Sempre teremos 12 votos, pois a liberdade impera neste Estado”, afirmou.

A postura de Solange foi elogiada pelo deputado Wanderley Barbosa (PSB) ao ressaltar que a deputada teve uma posição firme. “E mesmo sabendo que perderia a disputa, honrou seu compromisso até o fim”, destacou.

Os comentários de ambas as partes, oposição e situação, estenderam-se por mais de uma hora e, em alguns momentos, foram até acalorados. O uso da palavra foi suspenso a pedido do presidente, deputado Raimundo Moreira, com base na exigências do Regimento Interno da Casa.

Raimundo Moreira foi o último a fazer uso da palavra, discursando na Tribuna. Ao encerrar a sessão, pediu para que os integrantes da Mesa Diretora ficassem em pé, num ato simbólico que inaugurou uma nova etapa na Assembleia Legislativa Tocantinense.

Fonte: Dicom/AL