Estado

Foto: Divulgação

Desde as exonerações de mais de 15 mil servidores comissionados a estrutura administrativa do governo passa por adequações e cabe à cada secretário fazer o levantamento das contratações necessárias para as pastas.

Em entrevista ao Conexão Tocantins na tarde desta sexta-feira, 4, o secretário de Administração, Lúcio Mascarenhas, salientou que para os contratos começarem a ser feitos é preciso que os titulares de pasta entreguem a relação do quantitativo necessário.

“Os secretários estão fazendo o levantamento, isso compete a cada secretário, está dentro das habilidades de cada um”, informou.

Não há prazo para a entrega da demanda de cada secretaria, segundo o secretário. Os contratos serão feitos gradativamente após liberação do governador Siqueira Campos (PSDB). “Vai ser feito conforme as secretarias precisarem e não tudo de uma vez só”, salientou.

“Alguns secretários já fizeram pedido para o governador e só falta ele autorizar”, frisou. O secretário da Saúde, Arnaldo Alves Nunes é um dos que solicitou contratações para o governador.

O número estimado de contratações continua sendo de seis mil ao todo, conforme Mascarenhas. Os contratos serão feitos de até um ano.

Aguardando Concurso

Em julho chega ao fim o prazo do Supremo Tribunal Federal para que o Estado equipare o número de efetivos com o de contratados. Os contratos serão feitos cumprindo as exigências legais estabelecidas pelo STF e justificando inclusive a necessidade da contratação temporária.

O Estado aguarda o resultado do julgamento do certame do Quadro Geral feito em 2009 e que está sub-júdice. O certame prevê mais de seis mil vagas.

Sem estrutura

O secretário não quis comentar sobre a estrutura da secretaria de Planejamento e Modernização da Gestão, que tem à frente Eduardo Siqueira Campos que ainda não foi publicada no Diário Oficial. Essa questão é de competência do secretário, segundo Mascarenhas.

Eduardo já afirmou ao Conexão Tocantins que a estrutura já está pronta faltando apenas publicação.