Polí­tica

Outra discussão na sessão desta terça-feira na Assembleia Legislativa do Tocantins foi com relação à urgência na nota de repúdio da oposição com relação às declarações do governador Siqueira Campos (PSDB). A urgência foi aprovada depois de discussão política acalorada entre governistas e oposição.

“O que estamos vendo aqui é um esperneamento da bancada de oposição que se encontra acuada pela atividade da imprensa de transformá-la em bode espiatório das votações aqui dessa Casa”, disse o José Bonifácio (PR) ao votar contra a urgência.

Wanderlei Barbosa (PSB) rebateu as declarações de Bonifácio. “Não somos nem estamos nos sentindo acuados”, respondeu.“O única intenção do governo foi colocar a opinião pública e a imprensa a favor do governo”, disse.

Para Iderval Silva (PMDB), a imprensa transformou os deputados da oposição em culpados.

Já o deputado Sargento Aragão (PPS) disse que se sentiu ofendido pelas declarações de Siqueira a se referir aos deputados como “corja” ou ainda ter deixado subtendido que alguns parlamentares pediram dinheiro para liberar algumas pautas.

Ao votar favorável à urgência, Josi Nunes (PMDB) salientou que todos os parlamentares deveriam estar tomando providências com relação aos pronunciamentos de Siqueira. “Ele ofendeu a Casa, o povo do Tocantins”, disse.

Para Solange Duailibe (PT) é preciso levar em conta o respeito e a democracia. "Ele precisa ter um comportamento mais respeitoso. Queremos apenas ser fiscais das leis, estar atentos às questões do Estado", frisou.

O deputado Stalin Bucar (PR) também repudiou as declarações do governador. Os deputados aguardam a entrada da nova peça de orçamento na Casa que deve acontecer à tarde.