Estado

Foto: Divulgação

O ex-governador Carlos Henrique Gaguim (PMDB) disse estar certo da “legalidade” dos atos da sua gestão com relação à venda de lotes no Estado através da Codetins mesmo com a instauração de um inquérito civil para apurar vários casos de comercialização indevida de lotes.

O Ministério Público ajuizou 42 ações civis públicas por ato de improbidade administrativa contra alguns que adquiriram lotes vendidos bem abaixo do preço correto.

Mesmo com todos os indícios das irregularidas comprovadas inclusive pelo atual presidente liquidante da Codetins, Lutero Fonseca, o ex-governador Gaguim distribuiu documento na Assembleia Legislativa onde sugere que a investigação na comercialização de lotes seja feita também nas gestões anteriores.

No documento Gaguim sugere ainda que o promotor Adriano César Pereira analise também os negócios da empresa Orla S.A que segundo ele, recebeu do atual governador Siqueira Campos (PSDB) a “tarefa de administrar o patrimônio público referente a todo o entorno do reservatório da usina UHE Lajeado e inclusive áreas dentro do plano diretor”, consta no documento assinado por Gaguim.

O ex-governador disse ainda que há várias quadras em Palmas fechadas sob a titularidade de empresas privadas e ainda vários imóveis em nome de agentes públicos e políticos.

Gaguim no entanto não apresenta argumentos sobre a venda ilegal dos lotes que está sendo investigada e deve responsabilizar tanto os beneficiados como o gestor responsável.