Polí­tica

Foto: Divulgação

Os deputados estaduais realizaram, na manhã desta quarta-feira, dia 16, uma sessão solene em homenagem ao Dia Internacional das Mulheres. Na ocasião, o presidente da Casa, parlamentar Raimundo Moreira (PSDB), transferiu a presidência da sessão para a deputada Josi Nunes (PMDB).

Amália Santana (PT), uma das deputadas a usar a tribuna, ressaltou seu orgulho por ampliar, com sua vitória nas urnas, o número de mulheres no Parlamento Tocantinense. Ela afirmou que, apesar de muitos avanços ao longo dos últimos anos, “a luta feminina ainda perdura até os nossos dias e, em pleno século 20, ainda se depara com muitas discriminações”. Amália anunciou que pretende solicitar à Presidência da Casa a criação de um espaço especial para amamentação e troca de fraldas dentro do prédio da Assembléia.

A deputada Solange Duailibe (PT) anunciou que pretende encaminhar um projeto de lei que institui o auxílio gestante, no valor de um salário mínimo, para beneficiar todas as gestantes tocantinenses com renda igual ou inferior a um salário mínimo. A proposta, segundo ela, vai prever o pagamento do benefício em parcela única, 30 dias antes do parto, “de forma a proporcionar conforto e dignidade às parturientes”.

Ela informou ainda que deverá enviar um requerimento solicitando ao Governo do Estado que dê prioridade às mulheres chefes de família nos programas habitacionais populares implementados com recursos do Estado.

A representante do PR, deputada Luana Ribeiro, lembrou as diversas mulheres tocantinenses que foram assassinadas, vítimas de violência nos últimos meses. Ela concluiu seu pronunciamento com uma mensagem de otimismo, reforçada por uma frase de Shakespeare: “A coragem cresce com a ocasião”.

A cerimônia contou com a presença de diversas representantes de entidades do Estado, destacando-se a desembargadora Jaqueline Adorno, presidente do Tribunal de Justiça, a primeira-dama da Assembleia Legislativa, Roseli Borges da Conceição Araújo, e a capitã PM Lourdes Cristina Coelho Rodrigues, que comanda a Primeira Companhia Operacional de Palmas. A capitã destacou o avanço por que as mulheres passaram na corporação.

Segundo ela, no início, as mulheres exerciam apenas tarefas administrativas. Mas hoje 40% das militares trabalham nas operações policiais. “Uma transformação que acompanhou o avanço na sociedade”, disse a capitã.