Polí­tica

Foto: Waquerlei Ribeiro/Tocantins Imagens

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, realiza nesta quarta-feira em Brasília a formalização jurídica do Partido Social Democrático (PSD), a nova legenda de seu grupo político.

Ainda não será o momento do registro definitivo, que só será concedido pela Justiça eleitoral após a obtenção de quase 500 mil assinaturas de eleitores, previsto para agosto, informou à Reuters uma fonte da nova sigla.

O ato está marcado para as 12h na Câmara dos Deputados, deve ter a presença de cerca de cem políticos de nove unidades da federação. Em seguida, haverá o registro em um cartório marcando a instalação do partido.

Entre os políticos que devem migrar para o PSD estão, além de Kassab, o vice-govervador Guilherme Afif, a senadora Kátia Abreu, e Índio da Costa, que foi candidato a vice-presidente na chapa de José Serra (PSDB) -todos dissidentes do DEM.

O vice-governador da Bahia, Otto Alencar (PP), e o vice do Rio Grande do Norte, Robinson Faria (PMN), também devem aderir e a sigla pretende atrair 42 deputados.

Os deputados federais Irajá Abreu (DEM) e César Halum (PPS) além da estadual Solange Duailibe (PT) devem também estar presentes no ato.

Questionamento

Desde o lançamento da legenda, em 21 de março, o PSD vem sofrendo questionamentos.

O PPS ingressou nesta terça-feira com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) no Supremo Tribunal Federal (STF) em que questiona a possibilidade de um político se transferir para um novo partido sem que se configure quebra de fidelidade partidária.

Pela lei, se a migração for para um partido existente, é possível a tomada do mandato pela sigla anterior.

O DEM, que deve ser o mais esvaziado com a criação do novo partido, abriu processo disciplinar na semana passada contra Kassab por ele ter usado o CNPJ do partido para criar domínios na Internet, um do PSD e outro com a sigla JK, em referência ao ex-presidente Juscelino Kubitschek, que foi filiado a um partido de mesmo nome.

'Essas ações não vão vingar. Representam a execução do sentimento de vingança', disse o advogado do novo partido, Alberto Rollo.

Da Redação com informações do Portal G1