Polí­tica

Foto: Koró Rocha

Durante a sessão da manhã desta terça-feira, 26, a votação de matérias em regime de urgência chamou a atenção na Assembleia Legislativa. A discussão começou quando o deputado Sargento Aragão (PPSS) apresentou requerimentos em regime de urgência pedindo esclarecimentos e soluções na questão do concurso do Quadro Geral do Estado.

Na ocasião, o líder de governo na Casa, deputado José Bonifácio (PR) solicitou à bancada de governo que votassem contrários à urgência dos requerimentos. Contudo, os deputados do PT, Amália Santana e José Roberto Forzani, além da deputada Luana Ribeiro (PR) não acompanharam o líder e votaram em favor da urgência. Na mesma votação, o deputado Raimundo Palito (PP) também votou favoravelmente à urgência da matéria e frisou que a matéria do Quadro Geral deve ser analisada o quanto antes.

Em uma segunda votação, o deputado líder de governo também solicitou que a bancada de governo votasse contra a urgência da matéria. Contudo, mesmo assim, a bancada não chegou a um consenso e votou dividida, causando um pequeno mal estar entre a base de Siqueira Campos (PSDB) na AL. O deputado Palito, depois da divisão dos votos governistas, votou mais uma vez favorável à urgência e frisou que o faria em “protesto contra a bancada de governo”.

O deputado, em entrevista ao Conexão Tocantins, destacou ainda que o protesto não foi contra o governo, mas sim, contra a bancada governista da Casa. “Quando eu sou bancada, eu sou até o fim”, disse.

No ato, o deputado ainda solicitou uma reunião fechada da bancada de governo para que fosse debatida a postura da bancada de governo dentro das votações da Assembleia. “Não é nada contra o governo. É contra a bancada”, completou.