Estado

Foto: Divulgação

Manutenção de veículos e pagamentos de diárias de profissionais da Comunicação. Questões que parecem tão simples mas que na empresa estatal de comunicação, Redesat, ficam presas a trâmites burocráticos devido ao impasse entre Unitins e Secretaria Estadual da Ciência e Tecnologia.

Todos os 120 profissionais da emissora, incluindo Araguaina e Gurupi, são contratados pela pasta da Ciência e Tecnologia o que dificulta com relação ao pagamento de diárias e outras despesas que advém do orçamento.

A solução para o impasse pode ser a criação de uma autarquia: a Fundação de Rádio e TV do Estado como propôs o secretário de Comunicação, Ahrrenius Naves ao governador Siqueira Campos. A proposta tem que ter ainda a aprovação do governo e tem ainda o aprovação do reitor na Unitins, Joaber Macedo.

“A Fundação terá orçamento próprio o que vai possibilitar o cumprimento das necessidades básicas da Redesat”, salientou o secretário Ahrrenius ao Conexão Tocantins.

Esse impasse é antigo na emissora, explica o secretário, e na gestão anterior era resolvido de maneira que não foram consideradas corretas pelo governo atual. “Essa dificuldade existe há anos só que resolviam de forma errada e essa não é a intenção do governo”, frisou.

Atualmente o processo de gestão da Redesat é muito burocrático e difícil, conforme explicou o secretário.A emissora não tem ainda nomeação de um superintendente.

Ainda na área da Comunicação o governo tentou no início da gestão dar seguimento à uma Agência de Comunicação no entanto a autarquia permanece ainda inativa.