Polí­tica

Foto: Divulgação

O Primeiro Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (Cindacta I) é um elo permanente do Sistema de Controle do Espaço Aéreo (SISCEAB) e do Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro (COMDABRA), prestando serviços de: gerenciamento de tráfego aéreo; defesa aérea; informações aeronáuticas; meteorologia aeronáutica; telecomunicações aeronáuticas e busca e salvamento.

A visita do deputado Lázaro Botelho (PP) juntamente com um grupo de parlamentares, aconteceu nesta quinta-feira, 26 de maio, onde foram tratados temas como a defesa aérea brasileira e o controle de tráfego pelo Comando de Defesa Aeroespacial (COMDABRA) com o objetivo de apresentar aos parlamentares informações acerca do trabalho desenvolvido pelas organizações militares do Comando da Aeronáutica.

No COMDABRA, os parlamentares entenderam como funciona a defesa aérea e a proteção das fronteiras do país. Foram explicados quais são os meios que a Força Aérea Brasileira utiliza para coibir o tráfego ilícito de aeronaves e a importância das ações combinadas entre a instituição e as autoridades competentes no combate desses tráfegos.

O deputado federal Lázaro Botelho destacou como positiva a atuação da FAB na defesa do espaço aéreo. “É muito importante o trabalho que realizam visando garantir a segurança e o controle do nosso espaço aéreo”, disse.

A comitiva conheceu de perto, ainda, o trabalho desenvolvido pela organização militar e pelos controladores de voo no Centro de Operações Militares I e no Centro de Controle de Área do Cindacta I. Os visitantes tiraram dúvidas sobre a atuação da FAB na defesa aeroespacial durante as reuniões de Chefes de Estado e em grandes eventos, entre eles, a Copa das Confederações, em 2013, a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016.

Responsável pela maior quantidade de tráfego aéreo do País - 45% do total -, o Cindacta I está capacitado para lidar com 4.000 planos de voo repetitivos e 2.500 planos de voo simultâneos. Está apto também para visualizar até 750 plots simultâneos de 17 radares na FIR Brasília.

O Cindacta I, desde sua criação, atualiza-se permanentemente e hoje - após a quarta evolução de sistemas radar, terceira geração de sistemas de tratamento e visualização de dados, e segunda geração de sistemas de comunicação terra-avião - opera com o que há de mais atual em tecnologia de controle do espaço aéreo.

Fonte: Assessoria de Imprensa Lázaro Botelho