Cultura

Foto: Divulgação

Refazer a saga fluvial dos negros do Quilombo Kalunga é o objetivo do documentário que está sendo produzido ao longo do Rio Tocantins. A expedição Rota do Sal, que começou a trajetória em Cavalcante (GO), chegou a Palmas no domingo, 12, e seguiu, nessa terça-feira, 14, rumo a Lajeado, encerrando o dia com um acampamento, antes de chegar ao município.

O desembarque da equipe na capital tocantinense registrou 500 quilômetros percorridos em caiaques pelo Rio Tocantins. No total serão 2.400 quilômetros, passando por quatro estados brasileiros (Goiás, Tocantins, Maranhão, Pará). O trajeto é semelhante ao realizado pelos negros do Quilombo Kalunga, que durante séculos, navegaram o Tocantins, de seu território na Chapada dos Veadeiros (GO) até Belém (PA), para trocar produtos produzidos no quilombo por sal.

Ao partir de Palmas, o diretor Cardes Amâncio afirmou que o produto, previsto para ser lançado no primeiro trimestre do ano que vem, será disponibilizado ao acervo cultural do Estado, e em escolas das comunidades por onde a expedição passar. “Este projeto visa também um retorno cultural para o Estado, com registros das comunidades e da cultura local”, afirmou.

Às vésperas do embarque, segunda-feira, 13, o presidente e vice-presidente do Naturatins – Instituto Natureza do Tocantins, Alexandre Tadeu e Rômulo Mascarenhas, respectivamente, receberam os representantes do projeto Rota do Sal, Cardes Amâncio e Tom Amâncio, para consolidação de apoio logístico disponibilizado pela autarquia.

Durante o encontro, os responsáveis pelo projeto agradeceram o apoio e incentivo do Naturatins, que disponibilizou uma embarcação para viabilizar o percurso pelo leito do rio Tocantins, de Paranã até a cidade de Esperantina, no norte do Estado. “Somos gratos pelo compromisso e interesse que o governo do Estado tem dispensado a esse projeto, que visa resgatar uma história que também faz parte do povo tocantinense”, ressaltou Cardes Amâncio.

O documentário será um registro audiovisual das aventuras e de todas as histórias colhidas ao longo da jornada pelo rio. No Estado, a equipe composta por sete pessoas passará por 20 municípios tocantinenses. Além do documentário, a equipe faz um registro fotográfico e pequenos vídeos dos locais por onde passam. Para visualizar basta acessar o site www.rotadosal.com.br.

Fonte: Secom