Cultura

Foto: Divulgação

Tomou posse na noite da última sexta-feira, 17, a nova diretoria da Comunidade Carnavalesca de Palmas (Cocar), para os próximos três anos. O evento foi realizado na Asconorte e contou com a participação dos novos dirigentes e alguns componentes das agremiações carnavalescas.

Segundo declaração dos novos dirigentes da entidade, os objetivos da Cocar serão resgatar o tradicional desfiles das agremiações carnavalescas, modernizar o Carnaval de Palmas e ampliar o seu calendário, fazendo dele uma marca da cidade não restrita apenas aos dias de desfile no circuito da folia. “Por meio de parcerias, queremos levar o projeto Escola de Samba em movimento para festas comemorativas na capital e no interior, como aniversário das cidades e festas comemorativas”, afirma o presidente Rogério Ribeiro.

A nova diretoria da Cocar é formada pelos seguintes membros; diretor geral, Rogério Ribeiro, do G.R.E.S Unidos dos Girassóis; diretor financeiro, Cunha, da Mocidade Independente; diretor administrativo, Wilson Alves, da Eternamente Jovem e membros do conselho fiscal: Wilson Cerqueira, da Mangueira Palmense, Almir Dias Guimarães, da Unidos da Vila União e Cleiton do Novo Império.

A novidade da nova composição é a diretoria dos blocos carnavalescos que tem como diretor, Marivaldo Martins Sousa, atual presidente do Bloco Mandruva, diretor de eventos, Lázaro Lopes, e Gércya Karoene Pimentel Barbosa, diretora de juventude e esporte.

Escolas de Samba Filiadas

As escolas de samba filiadas a Cocar são seis: G.R.E.S Unidos dos Girassóis, Mocidade Independente, Eternamente Jovem, Mangueira Palmense, Unidos da Vila União e Novo Império.

Duas escolas de samba da região sul de Palmas, a Império da Liberdade e a Palmas de Ouro não concordaram com o projeto do carnaval 2011, “Eu quero sim eu vou sim”. Na ocasião os presidentes Paiva Reis e Douglas dos Aurenys respectivos presidentes das agremiações solicitaram desfiliação da Cocar.

Carnaval 2012

Segundo o diretor geral da Cocar, para se ter um bom carnaval não precisa trio elétrico ou um bloco “que só aparece para comercializar abadá ou banda de sucesso, precisamos é nos organizar e de incentivo por parte do poder público e privado”, salientou Rogério Ribeiro.

A nova gestão da Cocar vai buscar resgatar e fortalecer a imagem dos desfiles das escolas de samba, consolidar e modernizar o carnaval palmense, através das novas propostas e plataformas de trabalho que visam profissionalizar as escolas, assim como a organização e o planejamento de todos para fazer de Palmas uma referência do carnaval.

Segundo a diretoria da Cocar, a cultura do carnaval das escolas de samba de Palmas em ficar refém do poder público municipal, precisa ser mudada buscando a auto-suficiência. “As escolas de samba não têm que ficar mendigando verbas ao poder público. Isso é muito depreciativo. O exemplo aconteceu neste carnaval de 2011, onde as agremiações ficaram esperando os recursos e o carnaval oficial da Prefeitura não aconteceu. A Cocar e as agremiações carnavalescas tem sua parcela de culpa neste triste episódio. Vamos cobrar dos presidentes das agremiações mais ações nas suas comunidades, não podem ficar engessados, temos que fazer batuque, bingo, roda de samba e feijoada, vamos usar os espaços das associações dos moradores, vamos agir” acrescentou Ribeiro.