Polí­cia

Nesta terça feira, 5, a família de um policial civil voltou a ser ameaçada de morte por traficantes. O agente de polícia recebeu em casa uma carta anônima com várias ameaças. Se não bastasse, a esposa do policial foi seqüestrada e levada para um matagal, próximo à quadra 501sul, onde foi jogada e ameaçada de morte.

As intimidações teriam acontecido depois da prisão, no último domingo, 3, de quase 50 quilos de maconha, a segunda maior apreensão em Palmas, de dois homens que fazem parte da quadrilha. Revoltado, o chefe da droga desafiou a polícia, e na carta entregue ao policial afirmou: “Não vamos recuar. Sabemos quem você é, sabemos de cada passo seu e de seus familiares”. Na carta, o bandido ainda relata que sabe onde está a criança de 1 ano e 3 meses, filho do policial.

Diante da ameaça, a delegada responsável pelo caso, Rosa Suely Travassos, afirmou que a polícia não vai recuar enquanto não prender todos os integrantes da quadrilha, que seria do Pará, mas que estariam residindo em Palmas. “Nós vamos trabalhar dia e noite. Todos os policiais civis, de todas as delegacias, estão envolvidos nessa operação. Se for preciso pediremos ajuda de outras forças. O nosso desafio agora é colocar todos eles na cadeia”, afirmou a delegada.

A família do policial vem sofrendo ameaças há pelo menos 20 dias. Isso porque o agente teria comprado uma casa do pai de um dos traficantes, que teria sido utilizada como boca de fumo. Por causa das graves ameaças, o policial, a esposa e o filho têm proteção 24 horas.

Fonte: Assessoria de Imprensa/SSP

Por: Redação

Tags: Policial Civil, Rosa Suely Travassos