Cultura

A Academia de Letras de Araguaina e Norte Tocantinense (Acalanto) encaminhou à Secretaria Estadual da Educação e à Secretaria Estadual da Cultura, carta aberta de protesto com o resultado do Edital para aquisição de obras de autores tocantinenses.

Segundo a carta que vai assinada pelo presidente da Acalanto, Edson Gallo, o resultado do Edital nº 008/2011, para aquisição de obras literárias apresenta falhas que possibilitaram a escolha de obras que não se enquadram dentro dos critérios do edital.

Segundo Galo, o Edital, em seu Artigo 1, deixa claro que deveselecionar e adquirir obras de autores tocantinenses ou residentes há dez anos no Tocantins” e o livro Roteiro do Tocantins, de Lysias Rodrigues, infringe o artigo do edital, “pois Lysias ­­- patriota a quem a aviação e os Correios nacionais muito devem - morreu em 1957, jamais podendo ter morado no Tocantins, tampouco ser considerado escritor tocantinense”, diz a carta.

A carta aberta ainda cita outras obras, que, segundo o entendimento da Acalanto, não se enquadrariam dentro dos termos do edital, a saber: a) Recomendações de Metodologia Científica, de Janislau José; b) A Nova História do Tocantins, de Otávio Barros; c) Fundamentos Históricos do Tocantins, de Têmis Gomes Parente; d) Caminhos que Andam, de Kátia Maia Flores.

A carta aberta encerra afirmando que a Acalanto “lamenta o comprometimento do processo seletivo que se não revela favorecimento aos selecionados, causa danos aos demais concorrentes pela incúria por parte dos examinadores e pela desídia por parte dos promotores”.