Polí­tica

Foto: Divulgação

Durante a sessão da manhã desta terça-feira, 13, o deputado Freire Junior (PSDB) apresentou Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que visa acabar com as votações secretas no parlamento. A intenção, segundo o deputado, é acabar com o que chamou de “uma anormalidade flagrante” na Casa de Leis.

Segundo o ex-líder de governo, a votação secreta acaba por gerar situações de constrangimento entre os parlamentares. Situação essa que pode ser exemplificada pela eleição da Mesa Diretora, em que um dos deputados da base oposicionista teria supostamente errado o voto na hora de preencher a cédula. “Voto secreto é um voto envergonhado e não cabe a nós, enquanto parlamentares, uma situação como essa”, completou.

Situação mais clara

Caso seja aprovada, a emenda proposta pelo deputado poderá prejudicar, inicialmente, a sua base de apoio, uma vez que, veladamente, a bancada governista conta com alguns votos de deputados de oposição, como pode ser comprovado em eleições polêmicas, como na indicação da nova conselheira do Tribunal de Contas do Estado, Leide Mota do Amaral. No final do último semestre.

Na ocasião, mesmo com o acordo da bancada de oposição em esvaziar a votação para impedir a aprovação, três deputados compareceram e permitiram que Leide Mota fosse indicada ao TCE. Em outras votações a situação voltou a se repetir, gerando grande mal estar entre os membros oposicionistas. Deputados da bancada chegaram a informar que a oposição contava apenas com oito parlamentares e não mais com os 12 que formavam o grupo inicialmente.

Sendo aprovada a emenda de Freire Junior, essa situação ficará mais clara e o desenho das bancadas de governo e oposição, ficará mais bem definido no parlamento tocantinense.