Campo

Foto: Fabíola Dias Campanha, que ocorre desde o dia 1º de agosto, encerra na próxima quinta-feira,15 Campanha, que ocorre desde o dia 1º de agosto, encerra na próxima quinta-feira,15

O presidente da Adapec – Agência de Defesa Agropecuária, Geraldino Ferreira Paz e o chefe de gabinete, Lisandro de Souza Peres, acompanharam os trabalhos das equipes da Agência durante a vacinação contra a febre aftosa, na última terça-feira, 13, no retiro FUNAI - Fundação Nacional do Índio, localizado na Ilha do Bananal. A Campanha, que ocorre desde o dia 1º de agosto, encerra na próxima quinta-feira, 15.

Este ano, o Governo do Estado, por meio da Adapec, adquiriu 7.500 doses da vacina contra a febre aftosa para imunizar o rebanho dos indígenas, num custo total de R$ 11.475,00. De acordo com o levantamento parcial, já foram imunizados mais de 38 mil bovinos, pertencentes aos indígenas e produtores rurais, ou seja, 10 mil a mais que a previsão inicial.

Segundo o delegado regional da Adapec de Formoso do Araguaia, Procópio Cleber de Barcelos, toda a imunização do rebanho seguiu uma programação: indígenas e produtores rurais são comunicados anteriormente para juntar o gado. Em seguida, as equipes passam na data combinada, munidos com equipamentos e as doses da vacina para efetuar a imunização. “A maior dificuldade enfrentada é o acesso aos animais, mas percebemos que, a cada ano, a consciência aumenta em relação a importância da imunização”, ressaltou.

O gerente do retiro Funai, Wilson Amaral, é responsável pela cria e recria de cerca de 600 bovinos de propriedade de Yxahanam Amaral Javaé. Durante a vacinação enalteceu os trabalhos dos técnicos da Adapec. “Sabemos que não é fácil chegar até aqui, por isso quero parabenizá-los pelo trabalho. Temos consciência da importância de vacinar o rebanho e colaborar com um Estado livre de febre aftosa”, destacou acrescentando que a doação das vacinas para os animais pertencentes aos indígenas é um incentivo a mais.

As equipes da Adapec tanto para os indígenas quanto para os produtores rurais executam a vacinação. Um funcionário da loja agropecuária acompanha os técnicos levando as doses da vacina em caixas térmicas e lacradas. Depois de imunizados, a comprovação da vacina é feita de imediato. “Todo este cuidado é para certificar a eficácia da imunização”, afirmou o fiscal agropecuário, Gilmar Tavares.

Para Geraldino Ferreira Paz, a vacinação da Ilha tem cuidado redobrado porque a extensão territorial é grande, o acesso é difícil, mas é preciso garantir a vacinação do rebanho, pois um estado sem febre aftosa é garantia de gado saudável, economia fortalecida e a abertura de novos mercados. “Estamos há 14 anos sem o foco da enfermidade e não podemos nos descuidar, pois é uma doença que causa grandes prejuízos econômicos a toda a cadeia produtiva”, pontuou.

De acordo com os dados da campanha realizada em 2010 na Ilha do Bananal, foram imunizados 27.187 bovinos, destes 5.787 pertenciam aos indígenas e 21.400 aos produtores rurais. (Secom)