Polí­tica

Foto: Divulgação

Depois que o PP lançou a pré-candidatura do empresário Carlos Amastha na capital o vereador Aurismar Cavalcante afirmou ao Conexão Tocantins nesta sexta-feira, 23, que estuda a possibilidade de deixar o PP e que está recebendo apoios de vários correligionários.

“Aqui em Palmas 1.500 pessoas devem se desfiliar, mais de 35 vereadores já entraram em contato dizendo que se eu sair eles saem também”, afirmou. Três vice-prefeitos do Partido também devem sair da legenda, segundo o vereador. Os presidentes da comissão do Partido em Monte Santo e Tabocão já teriam inclusive pedido a desfiliação, segundo o vereador por não concordar com a condução do partido atualmente.

A esposa do vereador Micheline Cavalcante preside a comissão provisória do Partido na capital mas há possibilidade de dissolução da comissão, segundo já admitiu a direção do PP. “Eles precisam me respeitar, quem a gente dissolve é 'kisuki'. Eu mereço respeito”, criticou o vereador sobre essa cogitação por parte da cúpula estadual da legenda. “Não sou PP, não sou PSDB eu sou Siqueira Campos o meu partido é PSC Partido do Siqueira Campos”, frisou.

Caso deixe a legenda o vereador frisou que fará a transição de maneira digna e tranquila. Um evento do PSDB será realizado em Palmas no dia 1º de outubro onde há possibilidade do ingresso de Cavalcante e Micheline na legenda bem como de outros pepistas.

Cavalcante salientou porém que não recebeu ainda nenhum convite para integrar outro Partido. “A gente só vai onde é convidado”, disse. O vereador está no PP há 10 anos.

O vereador informou porém que não é contra a candidatura de Amastha que tem apoio total da direção regional e incluisve de lideranças nacionais.