Campo

Foto: Divulgação

O Governo do Estado, por meio do Instituto de Desenvolvimento Rural do Tocantins – Ruraltins e em parceria com o Consórcio Estreito de Energia (CESTE), tem investido na produção de frutas como uma das alternativas para o pequeno agricultor.

Um dos exemplos pode ser conferido entre os reassentados do Projeto de Reassentamento Coletivo Rural Majú, no município de São Bento do Tocantins, localizado na Região Norte do Estado , a 539 km de Palmas. O Projeto de Reassentamento Majú, conta com 37 famílias de pequenos agricultores que foram reassentadas pelo Ceste em 2010, devido à construção da UHE Estreito entre Aguiarnópolis no Tocantins e Estreito, no Maranhão.

O reassentado Gildeberto Brito dos Santos, encontrou na produção de melancia uma atividade lucrativa e de fácil aceitação no mercado local. Atualmente ele cultiva 1.500 pés de melancia em uma área de 0,67 há, com produção média de 15 toneladas por hectare. Toda produção é comercializada no mercado de São Bento e na propriedade.

De acordo com o reassentado, será possível uma renda bruta de R$ 6 mil reais a cada produção “Ter a oportunidades de trabalhar no que é meu sempre foi o que sonhei. Hoje, graças ao Ruraltins e ao Ceste, vejo meu sonho realizado, pois aqui não passo fome, tenho o que comer e uma renda para manter a minha família”, comenta Santos, acrescentando que pretende investir ainda mais na produção de melancia e que “ só não tem quem não planta”.

Além da melancia, Gilderberto produz tomate, pepino, milho verde, feijão e abóbora. Pretende também, investir no cultivo do cupuaçu, banana e criação de peixe em tanque rede. A ideia do reassentado é comercializar o excedente para o Programa Compra Direta Local que o governo do Estado executa por meio do Ruraltins.

Tecnologias simples

De acordo com o extensionista Rural, Ricardo Loff, que faz parte da equipe técnica da Unidade Local de Execução de Serviços do Ruraltins, de Araguatins ,que presta serviços aos reassentados do contrato Ruraltins/Ceste, existem hoje, tecnologias simples, como irrigação por gotejamento e fertirrigação, que diminui em mais de 50% a mão-de-obra familiar, bem como pode aumentar em mais de 100% a produtividade de melancia por área. O extensionista afirma ainda que, o reassentado já é uma referência na região. “Pouco mais de um ano foi possível ver a mudança de alguns reassentados”, frisando que o papel da extensão rural é fundamental nesse processo de aumento da produção e produtividade.

Produção

O município de Araguatins planta em média uma área de 15 ha de melancia, com produção de 35 toneladas por ha ao ano. Desse total, 70% dos plantios de melancia são irrigados com o sistema de gotejamento. (Ascom Ruraltins)