Polí­tica

Foto: Koró Rocha

Durante a sessão ordinária da manhã desta terça-feira, 11, um pedido de suspensão dos trabalhos para que as comissões se reunissem, pedido pelo líder de governo, José Bonifácio (PR) foi negado pelo presidente em exercício da Casa, deputado Eli Borges (PMDB), levando a bancada de governo a se retirar do plenário.

A manobra da bancada, chamada de obstrução, fez com que faltasse o quorum necessário para que as matérias constantes na Ordem do Dia pudessem ser votadas pelo parlamento. “Vamos obstruir a sessão. E convoco todos os deputados da bancada governista a se retirarem da sessão para que Ordem do Dia não seja votada”, disse Bonifácio.

Em resposta, o deputado Ricardo Ayres (PMDB) criticou a posição da bancada de governo e destacou que a Ordem do Dia não é votada há pelo menos 15 dias pelos deputados. Com isso, contando os requerimentos e projetos acumulados nesse período de não votação, ficaram de lado cerca de 70 matérias que deixaram de ser votadas hoje. “Eu gostaria que os deputados do governo permanecessem para que votássemos a Ordem do Dia. Eu creio que não haja nenhuma matéria aqui que nos exponha ao ridículo tanto como estamos nos expondo agora”, criticou.

Já a bancada governista usou o Regimento Interno da Casa para justificar sua manobra, que considerou legal. Quem defendeu a iniciativa foi o deputado Amélio Cayres (PR), que rebateu as críticas de Ricardo Ayres. “A obstrução consta no nosso Regimento. Se vossa excelência, que é deputado a pouco mais de dois meses, já considera o nosso Regimento ridículo, nós que estamos aqui a mais tempo, não”, completou.