Estado

Com a presença de secretários de Estado, entidades, empresas e técnicos do setor público e privado, teve início na manhã desta segunda-feira, 31, o workshop “Governança para Resultados: o Plano Plurianual sob a Perspectiva da Gestão para o Desenvolvimento”, promovido pelo governo do Estado, através da Secretaria do Planejamento e da Modernização da Gestão Pública. O governador Siqueira Campos foi representando pelo vice-governador João Oliveira (PSD).

O seminário foi aberto no auditório do Palácio Araguaia e prossegue esta tarde, a partir das 14h, na Escola de Governo, com a continuidade à tarde, da segunda parte da palestra “Governança para Resultados”, do professor Humberto Falcão Martins, doutor em Administração pela Ebape/FGV, da Fundação Dom Cabral e ex-secretário de Gestão do Ministério da Administração e Reforma do Estado.

O secretário das Relações Institucionais, Lívio de Carvalho, falou do novo modelo de gestão que está sendo elaborado na esfera do governo, enquanto a diretora geral da Organização Jaime Câmara no Tocantins, Fátima Roriz, fez um detalhamento acerca das demandas levantadas pela população nas nove audiências públicas nas regiões administrativas do Estado durante os fóruns do programa Agenda Tocantins, concluídos recentemente.

O workshop tem como objetivo apresentar aos possíveis parceiros, como empresas e organismos regionais, nacionais e internacionais, iniciativas, programas e projetos que vêm sendo debatidos e formatados para ser implementados pelo Governo do Estado nas mais diversas áreas, desde demandas estruturais, a exemplo de infraestrutura e saúde, àquelas relacionadas ao desenvolvimento econômico, social e humano.

Participaram do simpósio, dentre outros, representantes do COREN, CRM, CRO, CREA, OAB-TO, universidades, prefeituras, Organizações Não Governamentais e instituições da administração pública e Sistema “S”. Depois de relatar o esforço que o governo vem empreendendo para adequar as despesas além da folha de pagamento e poder realizar investimentos, o vice-governador João Oliveira fez questão de enfatizar a participação de todos os agentes da sociedade na coleta das demandas a serem inseridas no PPA.

Responsabilidade e compromisso macro

O secretário das Relações Institucionais, Lívio de Carvalho, afirmou que é fundamental que na “nova e frutífera relação a ser construída com os parceiros no PPA haja o compromisso e a responsabilidade de se levar em conta as dificuldades dos desajustes no cenário nacional e internacional”. Para ele, o caráter macro na elaboração do próximo Plano Plurianual deve atentar para os benefícios que podem advir da construção das eclusas nas hidrelétricas no Estado, da Ferrovia Norte-Sul e da Leste-Oeste e o Aeroporto de Palmas “para que o Estado não fique apenas assistindo o progresso passar’, enfatizou Lívio de Carvalho.

O palestrante doutor Humberto Martins, ao trazer sua contribuição aos agentes públicos e privados, para a formatação do PPA, destacou a visão ampliada do Governo do Estado em se preocupar em montar suas diretrizes de gestão com base em conceitos modernos e ousados. Ao considerar um cenário global instável, ele avalia que as ações devam ser executadas de forma cada vez mais parceirizadas, alinhadas e bem direcionadas, não desprezando a contribuição das redes formais, aquelas instituídas para levar redirecionamento à gestão pública.

Martins enalteceu o esforço na quebra do tabu no combate à corrupção no país, analisou o nível ainda fraco da educação no Brasil para romper os gargalos, inclusive da desindustrialização, e sugeriu ao Sebrae que dê suporte a boa parte das 50 mil ONG’s do país, considerando a maioria de atuação gerencial fraca, e delas uma minoria que pratica corrupção, afetando as que atuam corretamente, asseverou. (Secom)