Esporte

Foto: Divulgação

A abertura oficial da XI Edição dos Jogos dos Povos Indígenas, que está acontecendo na Ilha de Porto Real, em Porto Nacional, aconteceu na noite deste último sábado, 05. Cerca de 9 mil pessoas prestigiaram a abertura dos jogos.O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, a ministra da Igualdade Racial, Luiza Bairros e demais autoridade do Governo Federal vieram de Brasília especialmente para a abertura dos Jogos.

As autoridades, que estavam em companhia da prefeita de Porto Nacional, Teresa Martins, do governador do Estado, Siqueira Campos e do senador Vicentinho Alves, foram recepcionados por crianças que tocavam instrumentos de uma mini-fanfarra, alunos de escolas públicas, que desenvolvem trabalhos no Centro de Estudo e Ação Comunitária Dom Alano Du Noday. As autoridades seguiram para a Catedral Nossa Senhora das Mercês, no centro histórico da cidade.

Já na Igreja, o pároco responsável, Jones Pedreira, proferiu algumas palavras. “Quem construiu esta bela igreja, foi a própria sociedade portuense, em 1883. Nós nos sentimos felizes em recebê-los em nossa paróquia”, afirmou o pároco, contando que os indígenas, naquela época, fizeram um trabalho de humanização e evangelização. Padre Jones destacou que as presenças ilustres em visita ao local serão registradas no Livro de Ponto da Catedral.

Acompanhada pelos vereadores André Costa, Miúdo e Pedrinho, a prefeita Teresa Martins mostrou o Largo da Catedral aos Ministros de Estado.

Em seguida, a comitiva se dirigiu para o embarque para a Ilha de Porto Real. As duas balsas que aguardavam as autoridades, foram ladeadas pelas embarcações da Marinha do Brasil e do Corpo de Bombeiros Militar. No interior da balsa, policiais federais, civis, militares e o Exército brasileiro faziam a segurança das autoridades.

O diretor do Comitê Intertribal e representante dos indígenas na Organização das Nações Unidas (ONU), Marcos Terena, entregou camisetas e bonés dos Jogos para autoridades. O líder indígena disse que o Brasil é o único País do mundo que tem 240 Povos Indígenas e 180 línguas.

Abertura

A tocha, que mais tarde acenderia o fogo indígena gigante no centro da arena, atravessou de barco, do continente para a ilha. O tenente Daniel, do Tiro de Guerra municipal, deu a primeira volta olímpica na arena da Ilha de Porto Real. Em seguida, um indígena do Povo Karajá deu a segunda volta olímpica com a tocha. Posteriormente, a Nação Xerente apresentou um ritual tradicional, o Inssitró e a corrida de tora, com 100 kg, cada uma.

Em seguida, os 40 Povos Indígenas deram a volta na arena e foram parando um ao lado do outro, para que os presentes pudessem observar as particularidades de cada etnia.

O Hino Nacional Brasileiro foi cantando em língua indígena por Zuleika Terena, e em língua portuguesa pela cantora Mara Rita, de Palmas. A bandeira do Brasil foi carregada por crianças indígenas para defronte das autoridades.

Já quase finalizando a cerimônia, os Povos Terena entraram com tochas acesas. No centro da arena foi aceso o fogo gigante indígena. A plateia aplaudia de pés.

Encerrando a cerimônia, atletas guerreiros indígenas de arco e flecha, lançaram flechas em chamas no meio do lago. Logo a seguir houve uma queima de fogos marcando o encerramento da cerimônia de abertura oficial dos Jogos.

Programação

Dia: 07/11 – Segunda-Feira

Horário:8h

Local:Estádio General Sampaio – Centro de Treinamento Nego Júnior

Atividade:Futebol Masculino e Feminino

Dia:07/11 – Segunda-Feira

Horário:9h

Local:Ilha Porto Real

Atividade:Entretenimentos Culturais: exposição de fotos, vendas de artesanato e pinturas corporais

Dia:07/11 – Segunda-Feira

Horário:9h30

Local:Auditório – Ilha Porto Real

Atividade:Fórum (ciclo de palestras)

Dia:07/11 – Segunda-Feira

Horário:16h

Local:Arena Central – Ilha Porto Real