Estado

Foto: Divulgação

Nesta sexta-feira, 9, dia de combate à corrupção em todo o país o presidente da Ordem dos Advogdos do Brasil, seccional Tocantins, Ercílio Bezerra comentou ao Conexão Tocantins sobre as ações de corrupção no Estado nos vários poderes.

Em reunião ordinária do Conselho da OAB nesta sexta o assunto entrará em pauta e deve sair um encaminhamento com relação ao assunto. “Vamos levar o tema para a reunião e colher a opinião do conselho para ver qual é a posição do conselho”, salientou.

O Tocantins não está imune à corrupção e sendo assim o presidente citou que há um número expressivo de prefeitos e prefeitas do Estado que respondem a processos por improbidade administrativa.

Outro fato citado também por Bezerra são as investigações da operação Maet no Tribunal de Justiça do Estado que culminou no afastamento dos desembargadores Willamara Leila, Liberato Póvoa, Carlos Sousa e Amado Cilton. As investigações continuam. “Precisamos avançar o combate à corrupção”, salientou.

Para o presidente a corrupção mais predominante no Tocantins e que ele considera nefasta é a influência do poder Executivo nos outros poderes. “Poderes que deveriam ser independentes e não são. Existe essa corrupção de influência do poder político sobre o judiciário e sobre a Assembleia Legislativa”, pontuou.

As ações da Assembleia e do TJ estão agregadas ao Executivo, segundo o presidente da OAB. “Vivemos um momento em que os poderes se curvam como vassalos para o poder executivo do Tocantins, a sociedade precisa combater isso. A mais nefasta corrupção é a influência do executivo sobre os poderes”, argumentou.

Bezerra questionou o trabalho da Assembleia nesse ano, onde maioria dos projetos apresentados pelo governo foram aprovados. “ Praticamente todos os projetos foram aprovados: ou o governo está absolutamente certo ou os deputados estão absolutamente curvados”, frisou.