Saúde

Foto: Walquerley Ribeiro

A Carreta da Hanseníase estaciona na Feira Coberta do Jardim Aureny I, nesta segunda-feira, dia 23, às 8h, quando será aberta a Semana de Prevenção e Combate à Hanseníase, pelo secretário da Saúde de Palmas (Semus), Samuel Bonilha, e o presidente do Movimento Nacional de Reintegração das Pessoas Atingidas pela Hanseníase (Morhan), Arthur Custódio.

De acordo com Alessandro Pantoja, gerente da Atenção Básica da Semus, seis consultórios médicos vão atender a comunidade na Feira. Três serão exclusivos para consultas de diagnóstico da doença; um consultório para tratamento e avaliação de complicações da hanseníase; um consultório médico para diagnóstico e tratamento de hipertensão e diabetes; um consultório para fisioterapia e enfermagem. “Vamos oferecer também testes para verificação de índice de glicemia e aferição da pressão arterial. Ao todo, 70 profissionais de saúde estarão envolvidos nesse trabalho intensivo”, informa Alessandro Pantoja.

Shows artísticos

A atriz, comediante, poetisa e cantora, Karla Karenina, vai participar da abertura do evento, para sensibilizar a população da importância da prevenção e do diagnóstico precoce da hanseníase e a informação de que a doença tem cura. Também fará apresentação artística o Grupo 'Hip-hop'.

Encontrar o paciente

"Para eliminarmos de vez a hanseníase em Palmas, que é considerado um município hiperendêmico, é necessário identificarmos os pacientes e tratá-los, pois a doença tem cura e oferecemos tratamento gratuito e especializado em todas as nossas Unidades de Saúde da Capital", explica Marta Maria Malheiros, gerente de Vigilância Epidemiológica da Semus.

Segundo Marta Malheiros, o paciente com hanseníase pode e deve levar uma vida normal, pois, a partir do momento em que inicia o tratamento, ele deixa de transmitir a doença.

Após a ação de Palmas, a carreta continuará percorrendo outros municípios tocantinenses até o mês de junho. A Carreta da Saúde é um projeto de cidadania corporativa do Grupo Farmacêutico Novartis e tem como objetivo colaborar para a eliminação da hanseníase no Brasil, por meio da educação, do diagnóstico e tratamento da doença. O caminhão percorre todo o Brasil, principalmente as áreas endêmicas, atendendo populações menos favorecidas.

A iniciativa, de responsabilidade da Novartis, é coordenada pelo Morhan e conta com o apoio do Conasems - Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde.

Carreta

É um veículo de 20 metros de comprimento, equipado com cinco consultórios e um laboratório para realização de exames de diagnóstico. Seus ambientes são climatizados com ar-condicionado, banheiro, palco com sistema de som, projetor multimídia com telão e elevador hidráulico, para acesso de pessoas com deficiência e idosos. Além disso, possui gerador próprio de energia e tem capacidade para atender 15 mil pessoas por ano.

A carreta se baseia na autonomia dos municípios na execução das políticas e da sua criatividade no planejamento da campanha.

Estatísticas

Em Palmas, em 2010, foram registrados 170 casos de hanseníase e, em 2011, 95 novos casos estão em tratamento. De acordo com Jamyla Barreira, responsável técnica pela Área da Hanseníase, os profissionais de saúde da Capital estão capacitados a identificar e tratar de forma mais rápida, a doença na população.

"O homem é considerado a única fonte de infecção da hanseníase, se identificamos esse portador, iniciamos o tratamento imediatamente, impedindo o contágio de outras pessoas", enfatiza Jamyla, informando que o diagnóstico precoce evita sequelas e deformidades no corpo.

A doença

A hanseníase é uma doença infecciosa, causada pelo bacilo de Hansen, que atinge a pele e os nervos dos braços, mãos, pernas, pés, rosto, orelhas, olhos e nariz. Uma doença silenciosa, cuja detecção pode levar de 02 a 07 anos. Caso não seja tratada, a hanseníase pode provocar deformidades físicas. A transmissão ocorre pelo contato prolongado com um doente, que não esteja em tratamento.