Polí­tica

Foto: Clayton Cristus

Após o encerramento das discussões sobre os projetos de lei que alteraram a estrutura e o estatuto da Polícia Militar, na noite de ontem, o suposto envolvimento do governador Siqueira Campos (PSDB) com o bicheiro Carlos Cachoeira voltou à pauta da Assembleia Legislativa na manhã desta quarta-feira, 18, através de pronunciamento do deputado Stálin Bucar (PR).

De acordo com o parlamentar, a bancada governista tem tentado encobrir os fatos já noticiados pela imprensa regional e nacional. “Tentam dizer à população que são governantes honestos, probos e que não tem envolvimento com o Carlinhos Cachoeira”, disse. O deputado, em discurso ácido, acusou a gestão de Siqueira Campos de se envolver com os negócios promovidos pelo bicheiro, no Estado, através de suas empresas e de laranjas. “Este governo está atolado até o pescoço pelos acordos feitos com o Carlos Cachoeira”.

De acordo com o parlamentar, a bancada governista tem tentado encobrir os fatos já noticiados pela imprensa regional e nacional. “Tentam dizer à população que são governantes honestos, probos e que não tem envolvimento com o Carlinhos Cachoeira”, disse

Em sua fala, Stálin, como tem se tornado corriqueiro, propôs que a Assembleia aprove a formação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito para apurar o envolvimento de Siqueira Campos, Marcelo Miranda (PMDB) e Carlos Gaguim (PMDB) com os negócios do bicheiro. “Nós precisamos, com o apoio dos membros da CPI do Congresso Nacional, instalar aqui a investigação das falcatruas do governo deste Estado”, frisou.

Além disso, o deputado ainda cobrou dos membros da bancada de oposição, o apoio e as assinaturas necessárias para a instalação da CPI. Na ocasião, Stálin usou a figura da deputada Josi Nunes. “Cadê a líder da oposição? Se a senhora tem medo de investigar o Marcelo Miranda é por que pode ter envolvimento”.

Reunião

Em entrevista concedida ainda na última segunda-feira, o deputado Eli Borges (PMDB) já havia informado que, após as discussões dos projetos da Polícia Militar, a bancada de oposição iria se reunir para definir uma linha de ação quanto as acusações contra políticos tocantinenses citados nas investigações da Operação Monte Carlo.