Polí­cia

Foto: Divulgação Web

Desde o dia 2 de fevereiro deste ano o adolescente Lucas Carvalinhode Oliveira , de 15 anos e o jovem Adryel de Oliveira Marques, de 18 estão desaparecidos. De acordo com a família, a última vez que os jovens foram vistos estavam entrando em uma viatura da ROTAM - Rondas Ostensivas Táticas Metropolitanas. Desde então, dois inquéritos estão tramitando nas justiças civil e militar. Até o momento, segundo informações da irmã de um dos garotos, a família ainda não teve nenhuma resposta sobre o desaparecimento de Lucas e Adriel.

De acordo com a assessoria de comunicação do Ministério Público Estadual, o inquérito militar, que trata do possível envolvimento de policiais no desaparecimento de Adriel e Lucas tem previsão de entrada na promotoria no máximo para esta terça-feira, 15. O MPE informou que já haviam sido encaminhados diversos ofícios para que a Corregedoria de Policia Militar encaminhasse o processo, mas só agora pode ser encaminhado para a elaboração do relatório por parte da promotoria de justiça.

Ao Conexão Tocantins foi informado ainda que não existe um prazo pré-determinado para que o relatório seja elaborado, mas que costumeiramente o promotor leva alguns dias para analisar o processo e finalizar o documento.

O inquérito civil, que trata especificamente do desaparecimento dos garotos, de acordo com a assessoria do MPE está tramitando na Polícia Civil e ainda se encontra em fase de investigação.

Processo

Desde que os garotos desapareceram, em fevereiro deste ano, o processo militar corre no Comando Geral para apurar o possível envolvimento de policiais no caso de Adriel e Lucas. O prazo para a sindicância militar era de 30 dias, prorrogáveis por mais 30. No entanto, mesmo com quase o dobro do prazo encerrado, o caso ainda não foi resolvido.