Campo

Foto: Divulgação

O Ruraltins – Instituto de Desenvolvimento Rural do Tocantins deu início, nesta última segunda-feira, 4, às ações de coleta de dados junto aos produtores rurais que desenvolvem atividades aquícolas no Estado.

Nesta etapa os técnicos realizam levantamento direto nas propriedades que já trabalham com a produção de peixes, coletando informações sobre a topografia da área, número de tanques, área de lâmina d’água, espécies de peixe criadas e volume produzido.

O início da ação aconteceu na Câmara Municipal de Almas, onde 40 piscicultores apresentaram seus projetos e ouviram explicações sobre os procedimentos do levantamento nas propriedades. Na oportunidade os participantes também foram cadastrados junto ao Ruraltins, com vistas à aquisição do licenciamento ambiental junto ao Naturatins, órgão responsável pela liberação da licença. “Esse estudo é o primeiro passo para os produtores adequarem os projetos dentro das normas ambientais”, disse Francisco Martins, extensionista do Ruraltins.

De acordo com a diretoria de Aquicultura e Pesca do Ruraltins, foram formados dois grupos de trabalho que irão visitar, até o próximo dia 16, os projetos já instalados nos municípios de Almas, Porto Alegre do Tocantins e Dianópolis.

Piscicultura

Em 2011, a piscicultura movimentou, no Tocantins, cerca de R$ 150 milhões. Atualmente, o Estado possui cerca de mil empreendimentos produzindo 7.500 toneladas de peixe.

No Tocantins, cerca de sete mil pessoas estão ligadas, direta ou indiretamente, à atividade. O Estado já conta com quatro frigoríficos de peixes com o SIF – Selo de Inspeção Federal, 120 mil hectares de lâmina d’água em barragens, 25 mil hectares de áreas propícias à instalação de viveiros. Ao todo, oito unidades produtoras de alevino são responsáveis por aproximadamente 40 milhões de larvas, alevinos e pós-larvas de espécies nativas como caranha, cachorra, piau, pirarucu e tambaqui. (Assessoria de Imprensa Ruraltins)