Saúde

Foto: Divulgação Moradores relataram as péssimas condições do hospital no Bico do Papagaio Moradores relataram as péssimas condições do hospital no Bico do Papagaio

Depois da quebra do contrato entre o Governo do Estado e a Organização Social Pró-Saúde para a gestão de 17 hospitais estaduais, a Secretaria Estadual da Saúde (Sesau) vem assumindo gradualmente a administração dos centros de saúde. O primeiro passo que a pasta assumiu foi o conjunto de visitas técnicas aos hospitais públicos para avaliação das condições físicas e administrativas das localidades. O primeiro hospital a receber a visita do secretário executivo, Luiz Fernando Freesz, foi o Regional de Augustinópolis, na região do Bico do Papagaio.

O Hospital Regional de Augustinópolis foi, recentemente, alvo de duras críticas por conta das péssimas condições físicas do prédio. Na ocasião, moradores da cidade chegaram a enviar fotografias à imprensa nas quais apareciam desde infiltrações nas paredes, à falta de iluminação e leitos e equipamentos danificados. A situação chegou a ser alvo de pronunciamento duro do deputado Stálin Bucar (PR) que usou a tribuna da Assembleia Legislativa do Tocantins para divulgar as fotos dos usuários daquele hospital.

Ao Conexão Tocantins, o secretário executivo confirmou que as instalações do Hospital Regional de Augustinópolis precisam passar por reformas para poder receber, inclusive, os novos equipamentos hospitalares que estão à disposição. “Nós visitamos todas as instalações do hospital e constatamos que ele precisa passar por uma reforma elétrica e hidráulica. De imediato, vamos trabalhar na questão da infraestrutura física e na parte de hotelaria”, disse Freesz - hotelaria hospitalar são os serviços de alimentação, limpeza e vestuário dos leitos.

Freez ainda frisou que irá traçar, em conjunto com a direção do Hospital, as metas para a reforma e reestruturação do edifício. De acordo com o secretário, serão os diretores do HRA que irão definir o cronograma das ações da Sesau junto ao centro de saúde. “Vamos definir quais são os focos que precisam ser reestruturados primeiro. Se é o centro cirúrgico, se é a enfermaria com itens para os leitos”, explicou.

Início imediato

O secretário informou, contudo, que antes do início da parte mais robusta da reestruturação do Hospital Regional de Augustinópolis, o órgão já vem recebendo, desde o início da semana, suprimentos de remédios e produtos de limpeza, outra deficiência no local. “Desde segunda-feira vem chegando à Augustinópolis reservas de medicamentos e produtos de limpeza”, completou.

Além disto, a meta inicial ainda abrange a organização dos cerca de 72 médicos que estão lotados no Hospital. De acordo com o secretário, é preciso reestabelecer o regime de escala para os plantonistas, além de organizar os processos de trabalho para “otimizar e melhorar o atendimento no hospital”.