Campo

Foto: Divulgação

O Ministério da Agricultura, da Pecuária e Abastecimento (Mapa), por meio da Secretaria de Políticas Agrícolas aprovou o Zoneamento Agrícola de Risco Climático para a cultura de amendoim no Tocantins, safra 2012/2013, conforme portaria de nº 104, publicada no Diário Oficial da União, desta quinta-feira 28. Baseado em critérios térmicos e hídricos, foram identificados como aptos, todos os 139 municípios tocantinenses. As cultivares indicadas para plantio foram: IAC Tatu ST; IAC 147 e IAC 213, IAC Caiapó e Runner IAC 886.

De acordo com o engenheiro agrônomo da Secretaria da Agricultura, da Pecuária e do Desenvolvimento Agrário (Seagro) José Waltex Aguiar, o amendoim no Estado, referente à safra 2011/2012, foi plantado em janeiro deste ano, em uma área de 2,5 mil hectares. Como o ciclo da cultura é de 110 a 120 dias, os grãos já foram colhidos resultando cerca de 9,40 mil toneladas e a produtividade foi de 3.758 quilos por hectare. “Os municípios de Guaraí, Tupiratins e Presidente Kennedy concentram a maior área de produção da cultura no Estado”, informou acrescentando que com o sistema de irrigação, o amendoim pode ser cultivado durante todo o ano.

Segundo explicou Aguiar, o zoneamento tem por objetivo definir épocas de semeadura com os menores riscos climáticos (80%), em diferentes tipos de solo, ciclo das cultivares recomendadas, em cada município. “Serve também de orientação para o crédito de custeio agrícola oficial, bem como o enquadramento no seguro rural privado e público, o Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro)e, além disso, alguns agentes financeiros já estão condicionando a concessão do crédito rural ao uso do zoneamento”, frisou o Engenheiro Agrônomo.

Zoneamento

O Zoneamento Agrícola de Risco Climático é um instrumento de política agrícola e gestão de riscos na agricultura. O estudo é elaborado com o objetivo de minimizar os riscos relacionados aos fenômenos climáticos e permite, a cada município, identificar a melhor época de plantio das culturas, nos diferentes tipos de solo e ciclos de cultivares. A técnica é de fácil entendimento e adoção pelos produtores rurais, agentes financeiros e demais usuários.

São analisados os parâmetros de clima, solo e de ciclos de cultivares, a partir de uma metodologia validada pela Embrapa - Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária e adotada pelo Ministério da Agricultura. Desta forma são quantificados os riscos climáticos envolvidos na condução das lavouras que podem ocasionar perdas na produção. (Ascom Seagro com informações do Ministério da Agricultura)