Campo

Foto: Aldemar Ribeiro

O plano Safra 2012/2013 foi lançado na manhã desta terça-feira, 21, no auditório da Assembleia Legislativa, e é uma parceria entre Governo do Estado e Governo Federal. Incentivar práticas sustentáveis, ampliar investimentos e garantir a segurança da produção e consequentemente a melhoria de renda são alguns dos objetivos do Plano, que vai investir aproximadamente R$ 200 milhões em todo o Tocantins.

Para o secretário da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Agrário, Jaime Café, o evento é uma oportunidade de conhecer ainda melhor o plano que neste ano tem algumas modificações que vão ajudar muito o produtor. “A primeira mudança é o aumento no valor do repasse para investimentos e custeios e o aumento do valor pago nos programas sociais, em compras através do Pnae (Programa Nacional de Alimentação Escola) e compras diretas, porque até o ano passado o produtor só podia vender até R$ 9 mil e este ano este valor subiu para R$ 20 mil. Esta mudança de valores é muito importante porque o produtor já sabe para quem vai vender e sabe que esta venda será por um bom preço”, disse.

Segundo Café, o Governo do Estado determinou que grandes esforços fossem feitos pelos financiamentos para agricultura familiar. “Os resultados dos esforços já podem ser vistos com os valores, pois no ano passado tivemos R$ 180 milhões em financiamentos e este ano pretendemos ultrapassar os R$ 200 milhões”, afirmou o secretário, acrescentando que “todos os escritórios do Ruraltins (Instituto de Desenvolvimento Rural do Estado do Tocantins) estão à disposição do agricultor que deseja contrair o financiamento, inclusive com assistência técnica necessária para a elaboração dos projetos exigidos pelas instituições financeiras”, afirmou.

Para o secretário nacional de regularização fundiária na Amazônia Legal e representante do Ministério do Desenvolvimento Agrário, Sérgio Lopes, o montante de R$ 22,3 bilhões que o plano destinou para todo o país significa um avanço de 400% em 10 anos. “Aqui no Tocantins temos a previsão de investir aproximadamente R$ 200 milhões e o agricultor deve apenas ver sua vocação, elaborar seus projetos de acordo com o tamanho de sua necessidade e apresentar aos bancos oficiais. A elaboração dos projetos também será reforçada este ano, com investimento na assistência técnica em parceria com o Ministério de Desenvolvimento Social, pois o Governo Federal entende que isso também é combate à pobreza”, destacou.

O PAA - Programa de Aquisição de Alimentos também será uma opção de venda dos produtores, pois fará a compra das produções com preços justos. “Além da venda garantida, os itens de segurança foram reforçados e o produtor que perder sua produção por algum desastre e aderiu ao seguro, recebe o valor e 10% a mais, para garantir assim sua renda também”, enfatizou Sergio Lopes, acrescentando que os juros também são convidativos. “O juro hoje é negativo, com maior parte das linhas abaixo de 4%, 2% e na linha de investimento é de 0,62%, o que pode ser considerado um dinheiro de pai para filho”, finalizou.

Para o agricultor familiar Eufacúnio Lima, do assentamento Coração do Araguaia, em Palmeirante, o plano vem atender as necessidades dele e de centenas de produtores que carecem de recursos. “Em 2010 consegui R$ 21 mil para estruturar minha propriedade cm cercas e granjas e hoje viemos aqui para ver a possibilidade de conseguir financiamentos para aquisição de máquinas e para desenvolvermos um projeto de irrigação na época de seca e de verde, porque na época da chuva a gente tem como produzir e na seca não e sobrevivemos disso, da produção de hortaliças e frutas”, afirmou, acrescentando que a assistência técnica também é uma necessidade no local, devido às exigências dos bancos. (Secom)