Polí­cia

Foto: Divulgação

A Polícia Civil, por intermédio da Delegacia de Homicídio e Proteção a Pessoa (DHPP), autuou, na noite deste domingo, 26, pela prática do crime de latrocínio, na modalidade tentada, Jonas Gonçalves, 20 anos. O jovem é acusado de ter participado da tentativa de assalto a uma residência, localizada na quadra 106 Sul, na capital, em parceria com Peterson Peixoto Sousa e que resultou em ferimentos graves no proprietário do imóvel, e em seu filho que teriam reagido à ação criminosa e foram baleados.

Segundo informações dos delegados responsáveis pelo caso João Sergio Knupp e Bonfim Santana Pinto, as tentativas para encontrar os acusados pelo crime estavam sendo empreendidas pela Polícia Civil e Polícia Militar tão logo o mesmo foi cometido e, na tarde deste domingo o serviço de inteligência localizou a residência do jovem na quadra 1106 Sul. Imediatamente a informação foi repassada a policiais militares da Rotam, que se deslocaram ao local indicado e, prenderam o acusado, conduzindo-o até a 1ª DP.

Na delegacia, Jonas foi devidamente interrogado pela autoridade policial e confessou a participação na ação criminosa que teve um desfecho trágico. No entanto, ele afirma que apenas pilotou a motocicleta usada no crime atribuindo a seu comparsa Peterson Peixoto, preso na última sexta-feira, a autoria dos disparos que feriram as duas pessoas.

Jonas será indiciado pelo crime de latrocínio, crime tipificado pelo Art. 157, inciso III, 1ª parte. Segundo o delegado-chefe da Polícia Civil, José de Eliú de Andrada Jurubeba, que estava na 1ª DP, apoiando e orientando as ações dos delegados Bonfim e Knupp, o jovem acusado, preso na tarde deste domingo, não possui antecedentes criminais.

Ainda de acordo com o delegado Bonfim Santana, o inquérito continuará no sentido de estabelecer a verdade dos fatos para que não paire qualquer dúvida a cerca da efetiva participação de Peterson e Jonas na atividade criminosa. A princípio, o preso será encaminhado à Casa de Prisão Provisória de Palmas (CPPP), onde permanecerá a disposição do poder judiciário. O delegado Bonfim já adiantou que pedirá ao juízo criminal uma ação cautelar para que Jonas permaneça preso até a elucidação do caso. (Ascom SSP)