Polí­tica

A Procuradoria Regional Eleitoral no Tocantins solicitou à Polícia Federal a instauração de inquérito policial para apurar possível agressão contra a servidora pública do município de Tocantínia, Ana Caroline Brito Moreira, no dia 6 de setembro de 2012. A eventual prática delitiva estaria tipificada no artigo 301 do Código Eleitoral, que prevê pena de reclusão de até quatro anos e multa a quem usar de violência ou grave ameaça para coagir alguém a votar ou não votar em determinado candidato ou partido.

De acordo com informações prestadas em termo de declaração e também publicadas pela imprensa, Ana Caroline é prima de um candidato à prefeitura da cidade e teria sido sequestrada no Setor Aeroporto enquanto distribuía convites para um evento político.

Ela teria sido sedada e torturada, tendo os braços riscados com objeto cortante. Ainda segundo declarações da vítima já publicadas, as agressões seriam um aviso para sua família, e ela vinha recebendo pressões no local de trabalho para que apoiasse outro candidato.

A investigação que deve ser feita também no âmbito da Polícia Federal até agora tem sido conduzida pela Polícia Civil de Miracema do Tocantins, onde foi lavrado o boletim de ocorrência encaminhado à Polícia Federal juntamente com o termo de declaração tomado pelo promotor eleitoral, além do pedido de exame de lesão corporal feito ao Instituto Médico Legal de Palmas. (Ascom MPF)