Cultura

Foto: Divulgação

O Museu Histórico e Cultural de Porto Nacional foi fundado na década de 1980 com o objetivo de abrigar e conservar os bens de natureza material e imaterial portadores de referências à ação, à identidade, à memória histórica e cultural da sociedade portuense. A população sentiu-se sensibilizada e passou a fazer doações de objetos, os quais são hoje o acervo museal.

O museu não tinha uma sede própria para salvaguardar o acervo que nele continha. Com o tombamento do Centro Histórico de Porto Nacional, foi feito o restauro do prédio da antiga Prefeitura da cidade para ser a sede definitiva, o que ocorreu a partir de 2007.

O museu é administrado pela Secretaria Municipal de Cultura e Turismo. O acervo foi formado por peças de valor histórico, antropológico, literário e etnocultural adquiridos por coleta, empréstimos, doações e heranças. Os bens culturais inicialmente foram doados pela Diocese de Porto Nacional e pelas famílias tradicionais. Atualmente, os universitários dos vários segmentos contribuem para a formação do acervo e o para o resgate da memória, através de pesquisas.

O acervo também é composto por coleções de fotografias que retratam as expedições de Oswaldo Cruz entre 1910 a 1913, mobiliário, livros, filmes em VHS, CDs de cantores e compositores regionais, arte sacra, artesanato indígena e utensílios domésticos. Com a restauração do prédio, o museu ganhou um elevador, rampas e adequação nos banheiros, o que dá direito aos portadores de necessidades especiais de também frequentarem o lugar.

Conforme a diretora do Museu, Eliane Aparecida Reis de Oliveira, anualmente é feita a contagem dos visitantes, os quais estão escritos em um “caderno de visitas”. “Cerca de 6 mil pessoas do mundo inteiro passam por aqui durante o ano. Porto Nacional é uma das capitais culturais do país, que é privilegiada. Temos uma história linda e digna de respeito”, destacou. A diretora disse ainda, que na Semana da Cultura, que acontece todo mês de junho, o stand do Museu recebe a mesma quantidade de pessoas.

Segundo informações das técnicas do museu, a população deve saber que o espaço não é depósito e sim, um lugar que guarda a história do Município. Isso porque muitas pessoas querem descartar alguns objetos antigos de suas residências e assim, acham que o museu vai amparar esses objetos. Eliane explica que a doação de objetos é feita da seguinte forma: o proprietário leva a peça ao museu, esta passa por uma análise técnica sobre a história oral do objeto.

Em seguida, as técnicas verificam se o item é relevante para o contexto histórico da cidade. Normalmente, o museu recebe a visita de escolas municipais e estaduais, mas a Diretora lembra que outras escolas do Brasil também podem agendar visitas. O museu está aberto ao público nas segundas-feiras, de 8 às 12h e de terça a sexta-feira, das 8 às 17h. Os agendamentos de visitas são feitos pelo telefone(63) 3363-3928; pelo endereço: Rua Padre Antonio, s/n° - Centro (próximo à Catedral Nossa Senhora das Mercês) ou ainda, pelo e-mail: mhcpnacional2009@gmail.com.

Projeto “A Identidade Histórica e Cultural

  Esse projeto passou a existir, a partir da necessidade de conservação e preservação do patrimônio histórico e cultural de Porto Nacional, por intermédio de um levantamento dos arquivos do Museu Histórico e Cultural e da Cúria. O projeto tem como função, viabilizar a interpretação dos registros e arquivos, de forma sistemática para disponibilizar o uso, constituindo-se como uma iniciativa da sociedade acadêmica em prol da valorização de tão importante acervo.

  Aliado a isso, a incipiente formulação de políticas públicas de preservação do material informativo, permitiram que documentos e registros fossem se deteriorando pela ação do tempo. O patrimônio tombado, como o centro histórico necessita de uma estrutura apta para recepcionar os visitantes, a fim de que possa ser preservado e revitalizado através do processo de valorização de seus bens.

A organização de registros e arquivos existentes se apresenta como recurso para esta valorização, um ponto de contato entre o visitante, o pesquisador e o patrimônio, a fim de que possam ser orientados de maneira adequada para desfrutar sua visita. Busca-se incluir os estudantes na experiência museológica e estimular o desenvolvimento de ações educativas no museu e nos arquivos. (Assessoria de Comunicação)