Meio Ambiente

Foto: Divulgação

Dos 175 alunos que habitualmente vem frequentando a escola, 23 não tem comparecido por apresentarem quadro de gripe e outras viroses, rouquidão, tosse e complicações de ordem respiratória. O incêndio de característica criminosa que se alastrou desde o final da semana até o início desta por pouco não lançou chamas de três metros ou mais de altura contra a escola e casas da vila.

 Alunos têm faltado às aulas devido a problemas respiratórios causados pelas nuvens de fumaça, associada ao forte calor e baixa umidade do ar. Ao chegar à Escola Municipal João Teixeira Filhos na comunidade Café da Roça (ou Vila Canadá), a 75 Km da sede de Pium, a equipe do Pacqto – Programa de Ação Contra as Queimadas do Tocantins, que agora lança um concurso cultural de redação e vídeo “Como salvar minha cidade das queimadas?”, se deparou com um quadro preocupante.

O laboratório de informática da escola, que começa a operar serviço de internet para atender à demanda por curso na área, para a comunidade local e de mais quadro municípios vizinhos, foi tomado pela fumaça e o forte odor provocado por ela, obrigando a que as atividades fossem suspensas. Ali, os funcionários da escola testemunharam desde pequenos animais fugindo do fogo na vegetação, que saltavam para os espaços abertos.

A diretora da Escola João Teixeira Filho, Denise Pereira, avalia que esta queimada foi mais uma tragédia ambiental vivida pela comunidade. Todavia ela disse se sentir um pouco confortada em receber a Brigada da Comunicação em sua escola. “Vocês chegaram em um momento apropriado para nos ajudar a conscientizar as pessoas a favor do que a gente tanto gosta, que é a natureza”, ressaltou ela, que dirige a escola e mora distante 5 km desta, numa propriedade este ano também já consumida pelo fogo. (Secom)