Polí­tica

Foto: Divulgação Wandereli tratou as pesquisas como atos criminosos e eleitoreiros Wandereli tratou as pesquisas como atos criminosos e eleitoreiros

Os deputados Wanderlei Barbosa (PEN) e Josi Nunes (PMDB), criticaram durante pronunciamento feito na manhã desta quarta-feira, 10, na Assembleia Legislativa, a postura de institutos de pesquisa durante o processo eleitoral que encerrou no último dia 7. O principal foco das acusações foram as pesquisas publicadas principalmente às vésperas da eleição, no domingo. 

Em sua fala, o deputado do PEN foi incisivo em tratar as publicações de pesquisas, nas vésperas das eleições, como atos criminosos e eleitoreiros. “Não posso compreender como é que um instituto de pesquisa, vinculado a um veículo de comunicação, como o serpes, inverteu a situação. Tínhamos pesquisas internas que nos apontavam com 54, 52, 59%. Quantos e quantos votos não perdemos por conta da informação errada”, disse.

Durante seu discurso, o deputado ainda atacou o deputado estadual Marcelo Lelis (PV), concorrente direto do candidato o qual apoiou durante a campanha eleitoral, Carlos Amastha (PP). “Não podemos permitir que os poderosos matem o sentimento e a vontade de um povo.  E isso aconteceu aqui em Palmas; a compra exacerbada de votos, e quem denunciava era o povo. E eu achava que o deputado Marcelo Lelis era o ficha limpa que ele pregava que era”, criticou.

Já a deputada Josi Nunes (PMDB), ao questionar a atuação dos institutos de pesquisa nas eleições do município de Gurupi, cidade que é representante, citou o caso da pesquisa Ibope de 2010. “Em 2010, um dos institutos mais respeitados do País, o Ibope, apresentou uma pesquisa colocando o atual governador com 11 pontos percentuais à frente de Carlos Gaguim e tentou corrigir depois, colocando 4% à frente. Vimos, no final, que a diferença foi de menos de 1%”, disse. No município do Sul do Estado, a mãe da deputada, a ex-secretária de governo, Dolores Nunes foi eleita como vice-prefeita na chapa de Laurez Moreira (PSB).