Polí­tica

Foto: Divulgação

Durante visita a redação do site Conexão Tocantins na manhã desta quarta-feira, 7, o prefeito eleito de Palmas, Carlos Amastha (PP) fez um balanço do primeiro mês após ter vencido a eleição na capital. No campo político, o prefeito eleito que é presidente municipal do PP, anunciou que será oposição ao governo do Estado a partir de 1º janeiro.

“Serei o líder da oposição política a partir de 1º de janeiro”, reafirmou. O pepista conclamou a necessidade de coerência política por parte dos partidos que tem essência de centro-esquerda e que são da base da presidente Dilma Rousseff (PT). Nesse sentido, citou o PMDB, PDT e PT como partidos que podem integrar a base política de oposição no Estado a partir do próximo ano. Estas legendas atualmente, principalmente o PMDB, têm tido proximidade com o governo estadual. “Precisamos voltar ao estado democrático de verdade”, disse. Além dos partidos, os políticos que são oposição ao governo estadual poderão acompanhá-lo, segundo o prefeito. “Oposição responsável sempre chega ao poder”, completou. A intenção é formatar um grande bloco de lideranças políticas estaduais que não concordam com a atual gestão estadual.

Amastha ponderou, no entanto, que sua oposição ao governador Siqueira Campos (PSDB) será no campo político e não administrativo. "Tudo o que for bom para Palmas estou pronto para apoiar", frisou. O gestor solicitou audiência com o governador Siqueira Campos para tratar dos assuntos referentes à cidade mas conta que sua solicitação não foi atendida.

Transição

O prefeito eleito deu o primeiro passo para a transição na administração já no dia 8 de outubro quando teve a primeira reunião na Prefeitura com o prefeito Raul Filho (PT). “Fui muito bem atendido pelo prefeito”, disse ao elogiar a postura do pestista em disponibilizar os dados e informações com relação à gestão. “Nosso conhecimento da estrutura hoje é bem maior”, relata.

Iniciado o processo de transição e com os membros devidamente nomeados, Amastha começou a fazer visitas de cortesia nas pastas o que, segundo ele, possibilitou conhecer as equipes das secretarias, trabalho e atribuições de cada uma delas. “Percebi que há muitos técnicos competentes”, elogiou. Ao falar dos técnicos, o prefeito ponderou que deve aproveitar muitos deles nos cargos de comissão dentro da nova estrutura que adotará na gestão.

O modelo de gestão será matricial, segundo ele,  o que vai permitir que as secretarias trabalhem com ações integradas. Ele adiantou ainda que o Instituto de Planejamento, que será criado, será vinculado ao gabinete do prefeito e será responsável pelo planejamento e execução dos projetos. Amastha já pediu e deve constar na Lei de Diretrizes Orçamentárias – LDO o aumento da capacidade de endividamento da Prefeitura. “Uma boa gestão precisa de bons projetos e credibilidade”, conta.

Uma de suas primeiras obras deve ser o Shopping a Céu Aberto na Avenida Tocantins.

Secretariado

Vários nomes rondam a lista de especulações mas o prefeito eleito garantiu que não definiu ainda quem de fato integrará sua equipe de governo. Este será o segundo passo que será dado, conforme explicou, somente após fechar o modelo de administração que está estudando para a capital. Sobre as indicações políticas e cotas para o seu vice, deputado Sargento Aragão (PPS) e o deputado estadual Wanderlei Barbosa (PSB), o prefeito disse que também não há definição com relação a isso. Oficialmente anunciados estão: Thiago Andrino como secretário de Governo, Adir Gentil na pasta de Planejamento, Mamédio como secretário de Inclusão Social, Raquel Oliveira como secretária de Comunicação e José Gomes Torres como Procurador do Município.

A indicação da secretaria de Assistência Social ficará a cargo da futura primeira-dama Glô Amastha, que tem contato com lideranças comunitárias com experiência na área dentre outras experiências.

Concurso

Uma de suas prioridades, segundo Amastha, será a organização do concurso público da Prefeitura. Atualmente são pouco mais de seis mil concursados na máquina municipal e quatro mil contratados incluindo também os comissionados. “Vamos fazer o levantamento para ver o tamanho da máquina”, disse.