Polí­tica

Foto: Divulgação Deputada Josi Nunes nega que haja um nome pré-escolhido para assumir o comando da comissão provisória Deputada Josi Nunes nega que haja um nome pré-escolhido para assumir o comando da comissão provisória

A deputada estadual Josi Nunes (PMDB) confirmou ao Conexão Tocantins na manhã desta quinta-feira, 8, que a direção nacional vai analisar a renúncia coletiva protocolada por maioria dos membros com intenção de provocar a destituição do diretório. “Hoje vão pegar toda documentação, analisar e  ver as alternativas  para depois notificar e dar prazo de cinco dias para  o diretório se manifestar”, disse.

O deputado federal Júnior Coimbra, até então presidente regional da legenda, deverá ser notificado para se manifestar em cinco dias. “Vamos aguardar  a nacional”, disse. A parlamentar contou ainda que o presidente nacional Valdir Raupp garantiu que vai seguir o que diz o estatuto e sendo assim a destituição estaria garantida. A documentação apresentada nas renúncias, segundo Josi, está completa.

Josi negou porém que haja um nome já pré-escolhido, no caso o do ex-governador Marcelo Miranda, para assumir o comando da comissão provisória que deverá ser formada para realizar de fato as eleições em 90 dias. “O nome será o de consenso”, disse.

Acordo                         

O maior questionamento dos membros é que Coimbra teria feito acordo com o governo estadual. O vice-presidente Michel Temer, segundo Josi Nunes, confirmou aos membros, durante a reunião desta última quarta-feira, 7,  que Coimbra disse que ele e mais cinco deputados iriam dar apoio administrativo ao governo através da indicação de secretarias. O acordo envolvia ainda aliança com os Siqueiristas para o pleito de 2014. “O motivo maior os rumos do partido no Estado. A filosofia do partido não está sendo seguida. Tudo está sendo feita sem uma discussão maior”, frisou a deputada.

Além de Josi participaram da reunião com a nacional os ex-governadores Marcelo Miranda e Carlos Gaguim.