Campo

Foto: Lúcia Brito

A cidade de Araguatins, localizada na Região Norte do Estado, a 630 km da capital Palmas, sediou nesta última terça-feira, 27 de novembro, um encontro sobre crédito rural com a participação de técnicos do Ruraltins e representante do Banco do Brasil. A iniciativa teve como principal objetivo apresentar aos presentes, o novo padrão de trabalho adotado pela instituição financeira em relação a elaboração de projetos e a contratação de financiamentos rurais.

Uma das mudanças proposta pelo analista de crédito do Banco do Brasil, Valmir Schnorr, e que visa melhorar significativamente o fluxo de trabalho, foi o formulário que analisa previamente a condição e capacidade de endividamento do produtor antes dele pleitear um financiamento. Segundo ele, só após essa consulta no banco, o produtor está autorizado a confeccionar projetos junto ao Ruraltins. “Isso otimiza a mão de obra dos extensionistas e melhora o controle sobre os projetos elaborados”, disse o analista.

De acordo ainda com o analista, essa e outras medidas têm como meta melhorar a qualidade dos projetos de crédito rural e facilitar o relacionamento entre a instituição e os escritórios do Ruraltins, além de garantir, ao produtor, mais agilidade na liberação dos recursos. O Novo fluxograma para apresentação de projetos e contratação de financiamentos rurais entra em operação nas agências do Banco do Brasil a partir da próxima segunda-feira, dia 03 de dezembro.

O diretor de desenvolvimento Rural, Valdivino Fraga de Melo, salientou que tudo que foi acordado na reunião será cumprido pelo Ruraltins. “Todas as medidas aqui colocadas com certeza vão facilitar tanto a vida do produtor rural quanto o trabalho da assistência técnica”.

Assistência Técnica

O técnico agrícola, representando a regional do Ruraltins, de Araguatins, Ricardo Antônio Loff, destacou que 1.723 agricultores familiares são atendidos pelo órgão em 25 municípios da região. Sendo que neste ano já foram contratados 116 projetos de crédito rural com recursos liberados para o produtor na ordem de quase R$ 2 milhões.

“As linhas de financiamentos mais procuradas pelo agricultor se referem ao Pronaf A, B, Pronaf AF e Mais Alimentos, os recursos adquiridos são aplicados na melhoria da própria propriedade ou no fortalecimento das atividades desenvolvidas pelo agricultor”, declarou o extensionista.

Dados do Banco do Brasil apontam que cerca de R$ 35 milhões foram liberados para o agricultor familiar tocantinense, até o momento, referente a safra 2012/2013. Mas a meta da instituição é aplicar R0 milhões até junho de 2013. Na safra 2011/2012 foram aplicados no Estado R$ 80 milhões.