Polí­tica

Foto: Divulgação

Para atender as demandas destacadas pelos moradores e lideranças dos municípios da região do Bico do Papagaio, o senador João Costa Ribeiro Filho (PPL-TO) conseguiu junto a Secretaria de Relações Institucionais (SRI) recursos de programação de Infraestrutura turística, no Ministério do Turismo, no valor de R$ 6.250.000,00 (Seis milhões e Duzentos e cinquenta mil reais) para a construção de calçamento, praças e portal de entrada nas cidades.

O senador João Costa realizou uma agenda intensa com visitas à região do Bico do Papagaio, incluindo reuniões com lideranças políticas, comunitárias, vereadores e prefeitos eleitos. A agenda foi iniciada no dia 15 até 20 de janeiro, passando por Darcinópolis, Palmeiras do Tocantins, Nazaré, Arguianópolis, Santa Terezinha, Angico, Luzinópolis, Cachoeirinha, São Bento do Tocantins, Tocantinópolis, Axixá, Riachinho, Ananás, Buriti do Tocantins, São Sebastião, Esperantina, Araguatins, Carrasco Bonito, Sampaio, Praia Norte, Augustinópolis, São Miguel do Tocantins, Sítio Novo, Itaguatins e Maurilândia.

 “As praças irão beneficiar os moradores, proporcionando um local de lazer e de prática esportiva, além de melhorar o turismo ea economia local.” Para o senador, o progresso da qualidade de vida da população também está alicerçada na construção de áreas que promovam o convívio dos moradores e o estímulo a uma vida saudável.

João Costa ficou encantado com a bondade, com a generosidade e com a demonstração de amor das pessoas do Bico do Papagaio. Por onde passou, afirmou “que, para chegarmos ao Tocantins do Futuro, precisamos reduzir, imediatamente, quatro distâncias: 1ª) A distância entre pobres e ricos (distância social). Os ricos podem ser cada vez mais ricos; os pobres é que não podem continuar sendo cada vez mais pobres. A minha indignação não é com a riqueza; é com a pobreza e com a miséria; 2ª) A distância entre os estados e municípios (distância federativa). Enquanto uns são muito ricos, outros são muito pobres; 3ª) A distância física e do conhecimento (distância física-intelectual). Precisamos construir estradas e pontes de concreto e ferro, mas, acima de tudo, precisamos construir pontes humanas, melhorar a educação, capacitar e qualificar as pessoas para o mercado de trabalho; 4ª) A distância entre eleitos e eleitores (distância política). Após as eleições, os políticos somem e só voltam depois de 4 anos”. São políticos “Copa do Mundo”. O povo já está cansado disso, concluiu o senador. (Assessoria de Imprensa)