Palmas

Foto: Priscila Cavalcante

Durante sessão ordinária da manhã desta terça-feira, 26, na Câmara de Palmas, os vereadores discutiram e mantiveram o veto ao projeto de Lei de expansão do Plano Diretor de Palmas. Antes mesmo da votação, em escrutínio secreto, os parlamentares já haviam acordado pela manutenção do veto por conta de outro projeto de Lei que trata do setor Santo Amaro, apontado no trecho vetado.

Líder da oposição, o vereador Iratã Abreu (PSD) destacou que seu voto é por conta da inclusão do setor Santo Amaro no projeto. “Nós estamos vetando uma alteração no projeto de lei que redimensiona o setor santo amaro. Nós temos um projeto de Lei nesta Casa que regulamenta especificamente o setor”, disse.

Outros vereadores demonstraram preocupação com o isolamento de outros setores da capital que não entraram no projeto de Lei e não possuem, ainda, estudos para regulamentação pela Prefeitura. O vereador Gerson da Mil Coisas frisou esta necessidade. “É preciso que demais partes da cidade que vão ficar descobertas por esta lei, que recebam atenção da mesma forma”.

Em tom crítico, Juscelino frisou que o projeto ainda precisa ter agilidade para atender às demandas das comunidades. “Vou votar com meus companheiros, mesmo contra a minha vontade. Sabendo que esse projeto vai ficar engavetado mais um ano e meio ou dois e que aquela população vai ficar desamparada”, frisou.

Já José do Lago Folha Filho (PTN) alertou para a garantia dada pelo prefeito Carlos Amastha (PP) em analisar a situação de todos os setores irregulares da capital. “Como nós já acordamos pela manutenção do veto e já que existe um outro projeto de lei que trata exclusivamente do Santo Amaro, nós temos a garantia do prefeito Carlos Amastha de que todas as áreas irregulares de Palmas serão analisadas e regulamentadas”, completou.