Palmas

Foto: Divulgação

Na sessão desta quinta-feira, vereador José do Lago Folha Filho (PTN) saiu em defesa da Educação Municipal, em resposta aos questionamentos do vereador Iratã Abreu (PSD), que citou a influencia do deputado estadual Wanderlei Barbosa em relação às indicações na secretaria de educação municipal.

“O índice da educação municipal cresceu muito durante a gestão do prefeito Raul, nos tornamos referencia neste País, acredito que este legado não irá se prejudicar”, disse Folha em relação aos trabalhos desenvolvidos pela atual gestão.

Sobre os recursos federais destinados a educação, Folha ressalta as várias emendas destinadas pelo senador João Ribeiro (PR). “O senador João do Povo, não leva em consideração as diferenças partidárias e sim as necessidades locais de cada município, nos últimos anos foram quase 50 milhões de emendas destinadas à Palmas”. Esclarece.

Folha comparou a atenção dos demais senadores tocantinense e disparou contra o vereador Iratã, “eu só estou alertando o vereador Iratã que cobre também da sua mãe, a senadora Kátia Abreu, uma maior atenção à educação no nosso município”, disse.

Iratã, por sua vez, rebateu Folha, afirmando que a senadora Kátia Abreu e os senadores João Ribeiro e Vicentinho trabalham juntos pelo Estado e que ela, assim, como o deputado federal Irajá Abreu (PSD-TO), só no último ano, beneficiaram Palmas com recursos para construção de uma praça no Jardim Aureny III e aquisição de tratores para a zona rural.

Ao se questionar o trabalho da secretaria de Educação, Folha alertou que o pouco tempo de gestão da secretária Berenice, ainda não permite tirar conclusões. “A secretária Berenice tem muita competência e está lá por conhecimento técnico, diariamente temos visto que as indicações dos novos contratados tem se baseado no conhecimento curricular”, disse.

Questionamento

Inauguradas no final do ano passado pela gestão anterior, as escolas municipais Lúcia Sales Pereira Ramos, no setor Taquari, e Maria Verônica Alves de Sousa, no Jardim Aureny IV, não estão funcionando, segundo fontes, por falta de mobília. Oitocentos alunos, 400 em cada uma delas, estariam prejudicados, pois, apesar do ano letivo ter sido iniciado em 24 de janeiro, até o momento eles estão sem aulas.  

A situação das duas escolas foi relatada pelo vereador Iratã durante a sessão, que, por meio de dois requerimentos, solicitou à Prefeitura providências imediatas para que as aulas sejam iniciadas. As proposituras foram apresentadas em regime de urgência e aprovadas pelo plenário da Câmara.

Em seu pronunciamento, o vereador demonstrou também preocupação com o acesso aos Centros de Educação Infantil (CMEI’s) e às Escolas de Tempo Integral. Segundo ele, essas estruturas deveriam beneficiar prioritariamente as famílias de baixa renda, mas nem sempre é isso que ocorre.

“O que observamos são carros de luxo parados nas portas do CMEI’s”, disse Iratã ao explicar que não é contrário ao acesso de crianças, seja qual for a classe social, aos CMEI’s, mas é preciso que haja critérios mais justos, pois é grande o número de mães que realmente precisam e que não conseguem a vaga para seus filhos.