Palmas

Foto: Walter Gama

A executiva nacional do Partido Progressista (PP) encomendou uma pesquisa para avaliar os primeiros 100 dias de gestão do prefeito eleito da capital, Carlos Amastha. Foram ouvidas 602 pessoas acima dos 14 anos, moradores da capital. A pesquisa foi realizada do dia 4 a 8 de abril pela empresa Luky Comunicação.

O resultado apresenta percepção da população sobre o atendimento nos órgãos da Prefeitura de Palmas, regularização e fiscalização de quiosques, serviço de tapa-buraco, fiscalização de trânsito e lei seca, combate à dengue, atendimento nas unidades de saúde, cuidados com os canteiros e praças, limpeza pública, iluminação das ruas e controle de alagamentos. A pesquisa procurou saber também se a população considera a capital uma cidade boa para se viver.   

Na pesquisa 17% disseram que o serviço prestado pela Prefeitura está melhorando, porcentagem pequena, já que os que disseram que continua igual somam 35% dos entrevistados. 15% disseram estar piorando e 33 não souberam dizer.

No que se refere ao atendimento nas unidades de saúde da Prefeitura, 27% disseram que está melhorando, 37% disseram que a situação permanece igual e 18%, piorando.

Na regularização e fiscalização de quiosques 44% responderam que o serviço está melhorando, contra 29% que consideram igual, seguido de 23% que disseram está piorando. No mês passado, a Prefeitura encontrou irregularidades em alguns quiosques da capital e decidiu rever algumas concessões depois que a Secretaria Municipal de Desenvolvimento, Ciência e Emprego, atestou que todos os 241 quiosques da Capital tinham problemas em seus processos de concessão e administração.

Os primeiros 100 dias de gestão, de acordo com a pesquisa, indicam que a infraestrutura ainda opera como sendo um dos assuntos mais discutidos. 30% dos entrevistados disseram que a operação tapa-buracos está melhorando, já 45% disseram que a situação continua igual, contra 25% que alegam está piorando. Na manutenção e cuidado com os canteiros e praças da cidade, 53% disseram que está melhorando, 37% consideram que está igual, e 9%, piorando. Limpeza da cidade, 53% disseram que está melhorando contra 39%, que disseram está igual. 40% dos entrevistados disseram que o serviço de iluminação pública está melhorando, 53% consideram o serviço igual, e 8%, piorando.

Lei Seca é aprovada

O aspecto que mais chama atenção apontado pela pesquisa destaca o posicionamento da Prefeitura em intensificar as blitzen pela cidade. A lei seca, fiscalização de bebida e direção tem o aval de 65% dos entrevistados que disseram estar melhorando, contra 25% que consideram a situação igual. A pesquisa ainda aponta que 45% dos entrevistados consideram que a fiscalização do trânsito está melhorando, 41% disseram que continua igual e 8% piorando.

Dengue

A pesquisa ainda aponta o trabalho realizado pela Prefeitura de Palmas no combate à dengue. 45% disseram que está melhorando, 44% consideram que está igual e 9% disseram está piorando. A população de Palmas respondeu entre outras perguntas se a cidade é um bom lugar para viver: 35% disseram que está melhorando, 58% consideram igual e 7%, piorando.

Saúde nas regiões

A pesquisa apontou que nas Arnos, região norte da capital, 26% dos entrevistados consideram que o serviço de atendimento nas unidades de saúde do município está melhorando, 39% disseram que está igual e 15%, piorando. Já nas Arnes 23% dos entrevistados acham que está melhorando, enquanto 34% consideram igual e 18% acham que está piorando. Nas Arsos 32% dos moradores da região consideram que está melhorando, 35% disseram que está igual, contra 15% que dizem está piorando. Na região das Arses, 16% consideram que o serviço está melhorando, 43% disseram que continua igual e 10%, que está piorando.

A pesquisa avaliou ainda que os moradores da região sul, Aureny II e IV e Taquari estão insatisfeitos com o serviço prestado, 34% dizem que está melhorando e 35%, que continua igual e 24, piorando. Taquaralto, Aureny I e II, 31% acham que está melhor, 28% igual e 24%, piorando.

A região de Taquaruçu e do distrito de Buritirana apontou que 21% consideram que está melhorando contra os 57% dos entrevistados que disseram que o serviço de atendimento na unidades de saúde da prefeitura continua igual e 14% acham que está piorando.

Avaliação do Prefeito

No geral a pesquisa detectou uma avaliação regular do prefeito Carlos Amastha. O prefeito progressista foi avaliado por 7% dos entrevistados como ótimo, 31% como bom, 40% o acham regular, 11% ruim, 9% péssimo e 1% não sabem. A pesquisa revelou pontos crucias para a consolidação da gestão do prefeito, que revelou entre outras coisas, as áreas da cidade em que os moradores estão insatisfeitos com os serviços de saúde, alagamento entre outros.