Cultura

O documentário “Da luz da vida à água que morre”, vencedor do prêmio Cacá Diegues 2011, do Fundo de Cultura do Governo Estadual, tem como ponto de vista o olhar do povo Xerente sobre o rio Tocantins, desde a maneira como concebem a água, até como percebem a formação do Reservatório da Usina Hidrelétrica de Lajeado, que em 2012 completou dez anos. A exibição será nos dias 24 e 25 de abril, às 19h30. 

A direção do documentário é de Monise Busquets, jornalista e pesquisadora em Ciências Ambientais. A proposta da diretora foi de fazer uma leitura imagético-visual, sonoro-sensorial e também uma forma de garantir voz a esse povo vilipendiado pelo discurso da água como recurso.

A produção e a fotografia do filme ficam a cargo de Caio Brettas, publicitário e articulador cultural que atua em importantes produções locais e nacionais. O filme contou também com trilha sonora especialmente composta pelos músicos Alex Busquets, Diego Britto e Fábio Geriz. 

Para a produção do filme, a equipe passou dez dias na aldeia Porteira, município de Tocantínia, e conversaram com personalidades da cultura Akwên, a exemplo de seu Severo, pajé da região há mais de sessenta anos, e Ribamar o cacique. O documentário traz o relato e o sentimento dessas pessoas e também do povo Xerente, frente à construção da barragem.