Educação

Foto: Divulgação

Os educadores de Palmas aprovaram estado de greve, na manhã do último sábado, 20. A categoria votou contra a proposta apresentada pelo Comitê Gestor da Prefeitura, em reunião na última quinta, 18, que consiste no pagamento de 10% de reajuste para os funcionários administrativos, mais benefícios atrasado e retroativo dividido em 24 vezes, a ser pago a partir de janeiro de 2014.

Os trabalhadores votaram uma contraposta, que reivindica 10% de reajuste para os funcionários administrativos da educação, pagamento das progressões horizontais, titularidades e biênios e o retroativo, dividido em sete parcelas, a serem pagas a partir de julho de 2013.

O vereador, Junior Geo acompanhou a realização da assembleia e contribuiu com os trabalhadores. Foi enfático ao falar sobre sua atuação no legislativo. “Estou vereador, mas sou professor, me sinto no dever de representar os educadores”, disse Junior Geo.

A diretoria do Sindicato dos Trabalhadores em Educação no Tocantins - Sintet, Regional de Palmas discutiu com a categoria sobre a luta nas negociações com o Comitê, a cerca do reajuste de 24% para todos os educadores, primeira reivindicação da categoria, e que a prefeitura disse não ter orçamento, devido ao limite prudencial da Folha da Educação.

Para o presidente do Sintet José Roque Santiago, as negociações tem avançado em alguns pontos importantes, a exemplo o enquadramento dos administrativos. “Continuamos na luta em defesa do reajuste para todos os trabalhadores e trabalhadoras, professores e administrativos, somos todos educadores, o reajuste deve alcançar a todos”, disse Roque.