Campo

Foto: Divulgação

A Prefeitura de Xambioá, no extremo norte do Tocantins, assumiu o compromisso de adquirir a produção dos assentados da reforma agrária por meio do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). O anúncio foi feito pela prefeita Sílvia Machado durante a inauguração do quinto assentamento no município, ocorrida nesta sexta-feira (3).

 

A abertura da porteira da antiga Fazenda Sertaneja e do agora assentamento Barra do Lontra contou com a presença do ministro do Desenvolvimento Agrário, Pepe Vargas, do vice-governador do Tocantins, João Oliveira, do presidente do Incra, Carlos Guedes de Guedes, do superintendente do Instituto no Tocantins, Ruberval Gomes, dentre outras autoridades.

 

Ao se dirigir às famílias beneficiárias, Sílvia Machado as incentivou a utilizar todo o potencial da terra e reiterou que vai comprar tudo o que for produzido. "O assentamento é uma oportunidade de vida para vocês", frisou. A prefeita, que recebeu máquinas do PAC II Equipamentos, assumiu também o compromisso de melhorar as condições das estradas nos assentamentos.

 

Políticas Públicas Federais

 

O ministro Pepe Vargas entregou ao presidente do Sindicato de Trabalhadores Rurais de Xambioá, Carleon Costa da Silva, o cronograma de implantação do assentamento e disse que, cumprida todas as etapas já no segundo ano, quando a assistência técnica e a extensão rural estiverem consolidadas, as famílias terão orientação técnica necessária para produzir e ter renda.

 

Dessa maneira, acrescentou, serápossível vender não só para o Programa Nacional de Alimentação Escolar, como também para o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA). "É bom iniciar um assentamento tendo um compromisso como esse firmado pela prefeitura", disse o ministro.

 

Pepe Vargas destacou ainda que o Sindicato de Trabalhadores Rurais de Xambioá poderá organizar os assentados para que recebam cursos técnicos do Pronatec Campo. "Esta é outra oportunidade que vem em favor da reforma agrária". Ele ressaltou a importância da integração de políticas públicas que está destinando recursos de outros ministérios para a reforma agrária, a exemplo do programa Minha Casa, Minha Vida, Água para Todos, Luz para Todos, PAC Equipamentos e outros.

 

Parceria com o Estado

 

Para o vice-governador João Oliveira, assentar não é só colocar as famílias na terra, mas dar a elas condições para que possam viver bem. "E isso está acontecendo no Brasil inteiro", disse. Ele anunciou que o Governo Estadual está adquirindo 230 patrulhas mecanizadas para ajudar nas atividades dos trabalhadores da reforma agrária e da agricultura familiar. "O nosso governo é parceiro no sentido de ajudar essas famílias", assegurou.

 

O presidente do Incra, Carlos Guedes de Guedes, ressaltou que a reforma agrária é um dos caminhos para a superação da pobreza e para a geração de oportunidades. Para ele, as parcerias que poderão ser desenvolvidas com o Governo Estadual e a prefeitura melhorarão as condições de vida dos assentados. Guedes anunciou que uma das primeiras políticas a chegar no assentamento será o Minha Casa, Minha Vida. 

 

Infraestrutura será prioridade

 

William Gomes, vice-presidente da Contag, afirmou que a criação do assentamento Barra do Lontra é estratégico para a vida dos trabalhadores e para o município de Xambioá. Já o superintendente do Incra no Tocantins, Ruberval Gomes, que é filho de Xambioá, considera que o Barra do Lontra é mais uma conquista dos trabalhadores.

 

"Aqui, nessa nova área incorporada ao patrimônio público da União, vamos viabilizar a produção de alimentos e construir um grande projeto de vida para todos",disse o superintendente. Ele anunciou obras de infraestrutura como habitação, estradas e água. Noassentamento, deverão ser desenvolvidos projetos de piscicultura, avicultura, suíno, apicultura e outros.

 

Representando os proprietários da antiga Fazenda Sertaneja, a dentista Vera Lilian Carvalho Costa disse que no passado seus pais saíram em busca de um pedaço de terra. "Esta terra é generosa e fértil. De coração aberto, a entrego para vocês, pois sei que ela representa muito para suas famílias". Para Vera Carvalho, a propriedade que se transforma em assentamento vai "desempenhar a verdadeira função da terra”. (Ascom)