Palmas

Foto: Antônio Gonçalves

O prefeito de Palmas, Carlos Amastha (PP) afirmou ao Conexão Tocantins nesta quinta-feira, 9, que já determinou a sua equipe que providencie o mais rápido possível a prestação de contas do Carnaval deste ano, conforme decisão da juíza Flávia Afini Bovo da 4ª Vara da Fazenda e Registros Públicos. O gestor ainda não foi notificado mas disse que pretende encaminhar as contas antes mesmo disso acontecer.

“É dinheiro público e tem que ser informado e vamos fazer isso”, afirmou. O prefeito voltou a reafirmar que o único valor que a prefeitura gastou com a Festa foi R$ 64 mil referente aos bonecos gigantes em taquaruçu e que o investimento por parte do Paço foi apenas nestas atrações culturais . A prefeitura terá que repassar o valor arrecadado, a origem, a destinação e a totalização dos gastos.

Com relação aos gastos da empresa Dias Fernandes e Almeida Ltda com a festa o gestor frisou que a prefeitura não tem nenhuma ligação e que isso cabe à empresa decidir. “ Até acho que induziram a um erro por pedir contas de empresa privada”, questionou. A empresa, segundo o prefeito, não tem nenhum contrato com a prefeitura para a realização do Canaval e a adminstração apenas permitiu a utilização de logradouros públicos, por se tratar de uma festa popular e entrou com um valor mínimo para o fomento dos quesitos culturais.

A decisão da juíza foi dada em ação popular de autoria do deputado Marcelo Lelis (PV) e dos vereadores Joaquim Maia (PV), Iratã Abreu (PSD) e Lúcio Campelo (PR) que cobraram transparência da prefeitura com relação à festa. A argumentação dos ingressantes é que o Carnaval 2013 foi realizado pela Prefeitura de Palmas, o que obrigaria o prefeito a prestar contas do dinheiro aplicado nas festividades. Diante deste argumento o prefeito chegou a dizer que a gestão apenas se utilizou a expressão Carnaval 2013 para a conquista de mídia espontânea dos veículos de comunicação.