Opinião

O esporte é o maior instrumento de inclusão e acesso a um dos direitos previstos pela constituição. Estudos da ONU – Organização das Nações Unidas apontam que investimentos em esporte diminui gastos em segurança, a cada 2 dólares investidos em esporte diminui-se 4 dólares a gastar-se em segurança, o maior potencial do esporte é sua enorme rede social facilitando levar de forma direta e eficiente mensagens e valores que só o esporte tem, sendo o instrumento de transformação social e econômica rompendo com a barreira da desigualdade social fortemente presenciado gerado pelo modelo capitalista. Significativamente implica-se em dizer que o foco principal é o desenvolvimento humano possibilitando a ampliação de variadas modalidades diversificando a prática esportiva, institucionalizar o Esporte Educacional, viver o esporte na escola. Cidadania é direito a ter direito e baseado nesse preceito os investimentos em esporte devem ser maciços e de forma abrangente pelo poder público.

O Brasil desperta para o desenvolvimento que o esporte gera, a exemplo disso aconteceu em todos os estados as Conferencias municipais e Estaduais do Esporte. Em 2010, em Brasília, aconteceu a Conferencia Nacional do Esporte, realizada pelo governo do presidente Lula, de onde foi confeccionado o Plano Decenal do Esporte produzindo um documento chamado Por Um Time Chamado Brasil onde se registrou em forma de síntese as contribuições de mais de 220 mil brasileiros, homens e mulheres de todas as gerações, negros, indígenas, ribeirinhos, quilombolas, trabalhadores, pessoas com deficiências e com mobilidade reduzida, idosos, estudantes, profissionais em Educação Física e de outras áreas, atletas, técnicos, dirigentes e gestores esportivos –, todos construindo o Plano Decenal de Esporte e Lazer que será um poderoso instrumento de mobilização da comunidade esportiva e em breve será convertido em Lei no Congresso Nacional para ratificar o anseio da sociedade brasileira que contribuiu para construção de um plano no sentido de projetar o Brasil em 10 anos transformando-o em uma potência esportiva, dessa forma o Brasil constrói políticas públicas para tornar o esporte direito social como preceitua a constituição federal e ainda determina que é dever do Estado oferecê-lo, ajudando o país a tornar-se mais saudável e igual.

Outros aspectos importante para o esporte brasileiro foi a criação da Lei nº 11.438, de 29 de dezembro de 2006conhecida com a Lei de incentivo ao esporte, a realização dos Jogos Pan-americanos e Parapan-americanos de 2007, os Jogos Mundiais Militares realizados em 2011, a preparação para a Copa do Mundo em 2014, os Jogos Olímpicos e Paraolimpíadas de 2016 são exemplos da pujança em que o Brasil esta vivendo sob a ótica esportiva, também.

O esporte é afinal um meio de sociabilização e resgate de valores sociais hoje destruídos pela falência da instituição chamada família que esta mergulhada numa profunda crise de valores sociais, a família deixou de gerar em sua essência os valores éticos e morais, o esporte é um, senão, o único meio do resgate desses valores perdidos, perdidos por influência de uma sociedade complexa. Palmas e o Tocantins precisam despertar para a temática, muitos Projetos e Programas já executados, em outrora, com eficiência estão desativados de forma a demonstrar falta de compromisso com o setor e prejudicar todos os setores que movem as atividades esportivas.

(*Luciano Lucas Silveira - CREF 00757 G/TO é licenciado em Educação Física e servidor de carreira do governo do Estado do Tocantins – Seduc, além de presidente do Sindicato dos Profissionais em Educação Física no Tocantins)

Por: Luciano Lucas Silveira

Tags: Educação Física, Esporte, Luciano Lucas, Sinpef