Polí­tica

Foto: Divulgação

Por 09 votos a 02, a Câmara de vereadores de Miracema do Tocantins, aprovou a instauração da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar indícios de corrupção na gestão do ex-prefeito Junior Evangelista (PSDB). A CPI foi proposta pelos vereadores Nasci da Ótica (PMDB) e Natan do Fórum (PR).  A Comissão será composta por 04 vereadores, que no prazo de 180 dias investigarão várias irregularidades, como um rombo nos cofres públicos de R$ 5.391.774,86.

A CPI Junior Evangelista, com foi intitulada, ouvirá o ex-prefeito, como também, secretários, procuradores, servidores e diretores de empresas que prestaram serviço ao município no período de 2009 a 2012. São diversos os indicativos de improbidade administrativa. Atrasos salariais na ordem de R$ 702,380,44; ausência de repasse de empréstimos consignados; falta de repasse de contratos de execução e entre outras situações.

De acordo com o vereador Nasci da Ótica, após a apresentação do Relatório Técnico da Transição de Governo, elaboradora pela atual gestão, da prefeita Magda Borba (PR), tornou-se ainda mais relevante à composição de uma CPI. “São absurdos os atos de ingerência política cometidos pela gestão anterior, até agora, são muitas as perguntas e poucas respostas, os responsáveis terão que se explicarem aos miracemenses e a justiça ”, desabafou o vereador.

Os dois vereadores de oposição ao governo municipal, votaram contra essa medida. Maria Bala e Saulo Milhomen, ambos do  Partido Renovador Trabalhista Brasileiro (PRTB). A vereadora alegou que as contas do pleito passado ainda não foram entregues à Câmara. “Temos que aguardar os balancetes para tomarmos posicionamentos futuros”, explicou.

A escolha dos membros da CPI deverá assegurar o princípio da proporcionalidade, as conclusões dos inquéritos poderão ser encaminhadas ao Ministério Público.