Polí­tica

Foto: Divulgação

Aumentam os indicativos de que a base governista está diminuindo na Assembleia legislativa e inclusive o próprio líder do governo, Carlão da Saneatins (PSDB) chegou a admitir ao Conexão Tocantins que há uma crise e que iria pedir ajuda do Palácio Araguaia diante da situação. Procurado para conversar sobre o cenário entre os deputados estaduais na Casa de Leis o secretário de Relações institucionais, responsável pela articulação política do governo, Eduardo Siqueira Campos minimizou tal situação e frisou que considera normal os altos e baixos da relação entre Executivo e Legislativo.

 “ Não estamos imune para que não haja problema de relacionamento entre base e Executivo”, admitiu. Segundo ele a situação na base é normal. “ É mais do que natural que cada parlamentar modela ou constrói sua relação com o Executivo”, disse.

 O secretário analisa que as situações são pontuais e que o governo se relaciona de acordo com o jeito de cada parlamentar. Ele frisou que está aberto para conversar quando necessário.

 Eduardo não quis citar quantos deputados o governo acha que tem na base mas diz ter garantia que a atual gestão tem maioria. “ Nós temos a maioria e continuaremos tendo”, frisou. Ele coloca que o atual governo elegeu apenas nove deputados e conseguiu desde então apoiar com maioria projetos de interesse do governo.  O secretário relembrou ainda a eleição do deputado Sandoval Cardoso (PSD) por 22 votos e que teve articulação do governo.

 Na próxima semana há uma forte tendência de que um antigo aliado do governo, deputado Marcelo Lelis (PV) se declare independente na Casa de Leis. Eduardo frisou que ainda não teve oportunidade de conversar com Lelis depois que ele voltou de viagem mas que o caminho natural é que haja um diálogo entre os dois. “ Independente de tudo temos com o deputado um respeito e uma relação de amizade de anos”, frisou.

 Já Raimundo Palito (PEN), que inclusive assumiu há meses atrás uma pasta do governo já disse que não votará mais por orientação do Palácio e pode ser outro a romper com a atual gestão.

 Para o secretário há deputados que independente da posição dos partidos mantém uma boa relação com o governo estadual. Segundo ele os peemedebistas Iderval Silva e Vilmar do Detran atuam como deputados da base. “ Temos uma relação harmônica com eles”, frisou. Ele citou ainda a deputada Solange Duailibe do PT e Wanderlei Barbosa do PEN como parlamentares que também se aproximaram do governo. “O deputado Wanderlei e a Solange tem se relacionado melhor com o governo”, disse.

 Outro nome citado por ele foi o da petista Amália Santana que, segundo ele, mesmo com o rompimento oficial do PT com a gestão tem sido importante e inclusive ajudado o governo em algumas votações.

 Caso Freire Junior

 Eduardo frisou que não tem o que comentar sobre a situação do colega de partido, Freire Junior que deu declarações polêmicas contra o secretário e rompeu com o governo na semana passada. O deputado já é oposição e vai deixar os quadros do PSDB. Para Eduardo, o caso de Freire é uma situação partidária já que ele pretendia disputar o comando do partido e não conseguiu.