Polí­tica

Foto: Divulgação

Depois de reunir-se com a ministra do Planejamento, Miriam Belchior, na última quarta, 11, a senadora Kátia Abreu reúne nesta sexta, 13, na Capital, os prefeitos de 25 municípios da região do Bico do Papagaio. O encontro acontece na sede da Superintendência da Caixa Econômica Federal no Estado, a partir das 15 horas e terá a participação de técnicos da Instituição que darão aos chefes de Executivo orientações sobre a nova sistemática do Fundo de Arrendamento Residencial que, a pedido da senadora Kátia Abreu, foi modificado pela presidente Dilma Roussef para atender toda a demanda de moradias na região do Bico do Papagaio, levantada pela própria Caixa Econômica Federal em 16 mil casas populares. “Vamos mudar a vida das famílias do Bico do Papagaio para melhor”, diz a senadora Kátia Abreu.

 Com a nova regulamentação do FAR, todos os municípios do país com menos de 50  mil habitantes serão contemplados com uma média entre 30 e 60 casas com recursos do Fundo de Arrendamento Residencial, que possibilitam a implantação de infraestrutura com uma prestação mais baixa. Antes, o FAR só atendia a municípios com população superior a 50 mil habitantes, o que deixava de fora do programa 134 municípios (96%)  do Estado e que eram atendidos apenas pelo Minha Casa Minha Vida (Sub-50).

 As mudanças foram anunciadas na semana passada pelo secretário nacional do PAC, Maurício Muniz e realçada esta semana pela  ministra do Planejamento, Miriam Belchior. que ratificou à parlamentar tocantinense a decisão do governo federal de garantir as 16 mil casas populares solicitadas por Kátia Abreu para os 25 municípios do Bico do Papagaio. Além dessas 16 mil casas, em caráter excepcional, os municípios do Bico do Papagaio também foram incluídos para serem beneficiados pela nova regulamentação dos financiamentos do FAR estendida para todo o país, que  contempla cada município que tenha população inferior a 50 mil habitantes com até 60 moradias dentro do Fundo de Arrendamento Residencial.

 “O que esperamos com tudo isso é que o Bico do Papagaio não seja mais  considerado território da cidadania, que é sinônimo de pobreza”, disse a senadora Kátia Abreu, reforçando que somando as 16 mil casas urbanas (do FAR), duas mil casas rurais (do Minha Casa Minha Vida Rural), os dois mil alunos do Pronatec Rural e os 4 mil pequenos produtores beneficiados no Projeto Travessia Bico (cursos de extensão rural e de empreendedorismo nas áreas de peixe, fruticultura, leite e mel), além dos 500 produtores capacitados no Travessia Leite, programas que a parlamentar coordena no Bico do Papagaio por intermédio do sistema CNA/Senar/Federação da Agricultura/Sebrae e MEC, como parceiros, a região terá um grande impulso na sua economia, com desdobramentos diretos na qualidade de vida da população. (Ascom)