Estado

Foto: Divulgação

Os indígenas Valdir Krahô, de 35 anos, Eliana Minxa Kraho e Duci Ihilrojlwy Krahô, de 13 anos que foram vítimas fatais no grave acidente que aconteceu na última segunda-feira, 14, serão sepultados nesta quarta-feira, 16, na Aldeia Nova em Goiatins. Mais de 50 pessoas ficaram feridas no acidente.

Um caminhão que levava 75 indígenas no total capotou entre as cidades de Barra do Ouro e Itacajá, Noroeste do Estado, quando eles retornavam de uma Feira de Sementes em Itacajá. O motorista fugiu do local  e segundo indígenas envolvidos no acidente ele estaria em alta velocidade e bêbado.

A prefeitura de Itacajá cedeu o caminhão a pedido da Funai mas a prefeita Maria Aparecida Lima (PSD),  alega que o veículo era para transportar apenas materiais e pertences dos indígenas e que um ônibus teria sido colocado á disposição para o transporte. A Funai ainda não deu nenhuma explicação para o caso e afirmou ao Conexão Tocantins que está averiguando as responsabilidades no acidente e prestando assistência às famílias.

Em entrevista ao Conexão Tocantins o delegado de Itacajá, Joelberth Nunes de Carvalho  informou sobre o andamento da investigação. Ele já ouviu o depoimento do motorista do veículo,  Gilvan Alves da silva, que fugiu do local na noite do acidente sem prestar assistência as vítimas.  “Segundo o motorista ele perdeu controle do veiculo porque um indígena bateu na carroceria  do caminhão e como a estrada era de terra e cheia de ondulações ele capotou”, frisou. O motorista negou que estivesse em alta velocidade e ter ingerido bebida alcoólica. “Ele disse que estava a 50km por hora em todo o trajeto”, frisou. A justificativa do motorista para ter fugido do local era que teria sido ameaçado por um indígena com um facão.

Conforme o delegado, Gilvan após o interrogatório foi liberado e possivelmente será indiciado o que depende do presidente do inquérito, delegado Marco Aurélio de Goiatins que também investiga o caso.

Nunes frisou que o caminhão que levava os indígenas era locado para fazer a coleta de lixo da cidade. Serão ouvidos o secretário de transporte da cidade e todas as pessoas que autorizaram o transporte dos indígenas no caminhão. “Já oficiei a prefeitura”, frisou. O proprietário do caminhão alegou à Polícia que não autorizou o uso do caminhão para o transporte dos índios. “Segundo ele a ordem partiu de um  funcionário da prefeitura”, afirmou.

Até o momento ninguém soube explicar por qual motivo os indígenas foram transportados no caminhão que estava em péssimas condições. O delegado da Polícia Civil  responsável pelo caso é Marco Aurélio.

Vários feridos ainda estão internados em Araguaina. Ao todo 10 já tiveram alta mas 15 ainda permanecem internados e devem ser liberados hoje. Há ainda a informação de que um indígena teve a perna amputada em razão do acidente.