Polí­tica

Foto: Divulgação

Em discurso contundente na tribuna da Câmara dos Deputados, nesta última quinta-feira, 24, o deputado federal Lázaro Botelho (PP) alertou sobre a urgência que se reveste os incentivos à indústria, como alternativa para reverter a crise econômica por que passa os municípios do Estado. “Só a industrialização é capaz de gerar as receitas que nossos municípios necessitam para investirem mais em saúde e educação e libertar o povo tocantinense da dependência do emprego público”, pontuou. 

Na contramão do crescimento de setores básicos, como a distribuição de água e luz em todo o Estado, a indústria se comportou aquém do ideal. “Poucos Estados do Brasil conseguiram promover transformações sociais tão profundas quanto o Tocantins nos últimos anos. Mas, infelizmente, apesar do cenário otimista, a indústria tocantinense não tem conseguido evoluir no mesmo ritmo”, completou.

Botelho aproveitou o espaço do grande expediente da Casa para apresentar um panorama do bom desempenho da economia brasileira, que, em sua avaliação, é reflexo das estratégias de apoio à indústria do Governo Federal. “No Brasil, o fortalecimento do mercado interno, o enfrentamento e o controle da inflação, o aumento da renda e o acesso ao crédito, deram fôlego à economia. Iniciativas inteligentes que colaboraram para que o país assumisse uma posição de destaque em todo o mundo”, avaliou.

Para vencer o desafio da industrialização e acompanhar esse processo, o Estado teria que multiplicar o nível de investimentos em infraestrutura. “Não estamos querendo inventar a roda. Investir na indústria é uma estratégia comum nos países que querem, de fato, se desenvolver”. No Tocantins esse desafio tem esbarrado nas deficiências de infraestrutura, na área tributária e na burocracia. “Gargalos que emperram o desenvolvimento e afugenta o interesse de investidores, em especial os grandes projetos de empresas nacionais e internacionais, que por vezes manifestam interesse, mas logo desistem”, completou.

Ainda na avaliação do deputado, é imperativo que o Estado invista em um projeto coerente de desenvolvimento, que inclua a pesquisa, a tecnologia e a inovação e que possa adequar a rede de ferrovias, hidrovias e aeroportos do Estado.

O I Congresso da Indústria Tocantinense realizado pela Fieto no início do mês apontou alternativa similar ao eleger quatro eixos elementares de atuação que passam por uma política de fomento as atividades produtivas do Estado, por estímulos à competitividade das micro e pequenas indústrias, por ações voltadas ao empreendedorismo, por incentivos fiscais, pela redução da carga tributária e pela qualidade da educação.

Botelho afirmou que o Partido Progressista está trabalhando na construção de um projeto estruturante, “focado no fortalecimento da indústria, engrenada pelo setor produtivo e lubrificada pelo poder público. Só assim vamos vislumbrar um Tocantins industrializado, capaz de plantar, colher, beneficiar, transportar, vender e exportar”, finalizou o parlamentar.